Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

PF indicia Amaury Ribeiro Júnior por quatro crimes

Jornalista admitiu ter elaborado dossiê para atingir o presidenciável tucano José Serra. Material estava em poder da pré-campanha de Dilma Rousseff

Envolvido na elaboração do dossiê contra o candidato tucano à Presidência, José Serra, o jornalista Amaury Ribeiro Júnior foi indiciado nesta segunda-feira por quatro crimes: quebra de sigilo funcional, uso de documento falso, corrupção ativa e suborno de testemunha.

O jornalista, que depôs pela quarta vez à Polícia Federal, falou por mais de seis horas horas aos investigadores. De acordo com a corporação, Amaury apenas ratificou o que havia dito nos depoimentos anteriores, e se negou a dar novas informações.

Amaury Ribeiro Júnior havia admitido anteriormente ter reunido informações sobre pessoas próximas a José Serra. Ele pagou 12 mil reais ao despachante Dirceu Rodrigues Garcia em troca da quebra de sigilo fiscal da filha do candidato, Verônica Serra, e do marido dela, Alexandre Bourgeois. As informações de Verônica foram obtidas com uma procuração falsa, providenciada pelo contador Antonio Carlos Atella.

O jornalista também foi o mandante da quebra de sigilo do presidente nacional do PSDB, Eduardo Jorge, e de outras pessoas ligadas ao partido. Ele admitiu ter mantido contato com a pré-campanha da candidata petista à Presidência, Dilma Rousseff. Mas alega que o dossiê contra Serra foi copiado de seu computador por Rui Falcão, petista que é um dos coordenadores de campanha da candidata.

Apesar de o depoimento ter se encerrado há mais de uma hora, Amaury permanece na Superintendência da Polícia Federal. O advogado do jornalista, Adriano Bretas, deve conversar nos próximos minutos com a imprensa. A Polícia Federal ainda não informou se Amaury será detido ou irá aguardar o julgamento em liberdade.

Advogado nega crimes – O advogado de Amaury, Adriano Bretas, negou que seu cliente seja o responsável pelas quebras de sigilo. “Em momento algum ele admitiu ter quebrado o sigilo ou encomendado a quebra de sigilo fiscal”, declarou Adriano aos jornalistas, após o indiciamento. Em nota, o jornalista também negou realizar militância partidária, e alega ter realizado atividades decorrentes do ofício de jornalista investigativo.