Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Os estados mais vitoriosos contra o crime, em meio à crise de segurança

Eles são bons exemplos de como é possível reduzir a criminalidade, com integração das polícias, investimentos em efetivos, armas e veículos, e outras ações

Por Adriana Ferraz, Bruno Caniato, Victoria Bechara Atualizado em 3 jun 2024, 16h40 - Publicado em 26 abr 2024, 06h00

A segurança pública ganhou relevância política nos últimos tempos e já desponta como um tema central para a eleição nacional de 2026. O avanço das facções criminosas, o entrelaçamento cada vez mais evidente da bandidagem com o poder público, a persistência das altas taxas de crimes em níveis vergonhosos, as cenas frequentes de violência a que a população é submetida nos grandes centros urbanos e a inoperância das autoridades para lidar com a escalada do problema assustam a população. Em meio a esse cenário, no entanto, há ilhas de excelência que vêm experimentando resultados positivos nesse enfrentamento, com reduções expressivas em ocorrências sensíveis como homicídios, latrocínios e roubos, conforme mostra um levantamento feito por VEJA com base em dados do Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública (Sinesp), que são fornecidos pelos estados e compilados no Ministério da Justiça.

Um dos bons exemplos nesse sentido é Santa Catarina. No ano passado, metade dos 295 municípios não registrou um único caso de homicídio. Desde 2017, o estado reduziu o número de assassinatos em 47% e o de latrocínios em 84%. A taxa de homicídios por 100 000 habitantes é de 6,78, a segunda menor do país (atrás de São Paulo) e comparável à dos Estados Unidos. A Polícia Civil local alcançou uma marca histórica, com 80% dos homicídios elucidados, desempenho semelhante aos de Canadá e Austrália. “Os crimes acontecem e não ficam esquecidos”, diz o delegado-geral, Ulisses Gabriel. Como Santa Catarina, outros estados tiveram avanços consistentes, entre eles Distrito Federal, Goiás, Rio Grande do Sul, Pará e Espírito Santo (veja o quadro). Em comum, todos tiveram quedas acima da média nacional em mais de um dos principais crimes.

Nenhum desses estados inventou a roda. O êxito é fundamentado em ações que deveriam ser básicas, como integrar as diversas forças de segurança e aperfeiçoar a análise das estatísticas para definir locais de maior criminalidade e vulnerabilidade social e planejar melhor as intervenções. Alocar recursos para a compra de armas e veículos e contratação de pessoal é outra ação primordial, assim como testar tecnologias modernas, como monitoramento por vídeo com inteligência artificial e equipamentos para aprimorar o trabalho de perícia. É fundamental ainda traçar estratégias para minar o crime organizado, separando líderes presos ou identificando (e impedindo) o financiamento das facções. Também é relevante o trabalho de apreensão de armas e drogas, esta a maior fonte de dinheiro dessas falanges e combustível que alimenta a espiral da violência no país.

Continua após a publicidade
OLHAR - Projeto Cerco Inteligente, no Espírito Santo: aposta nas câmeras
OLHAR - Projeto Cerco Inteligente, no Espírito Santo: aposta nas câmeras (Edson Reis/Secom-PMS/.)

A ofensiva contra a criminalidade varia muito dependendo do perfil dos governantes. Goiás, por exemplo, governado por Ronaldo Caiado (União Brasil), à direita no espectro ideológico, baixou os indicadores a partir do investimento pesado em armas, viaturas e agentes de segurança e um policiamento ostensivo, inclusive no campo, com tropas especializadas e georreferenciamento de propriedades rurais. “Até o roubo de gado caiu”, celebra o secretário de Segurança Pública, Renato Brum. Ex-comandante-geral da PM, ele reconhece o efeito colateral da política de confronto: no ano passado, 517 suspeitos foram mortos, o que coloca a polícia goiana como a quarta mais letal do país, à frente até de São Paulo, o estado mais populoso (que teve 504 mortos). “Aumentou, de fato, mas porque retomamos o controle”, justifica.

Não é apenas Goiás que enfrenta o desafio de equilibrar os esforços de prevenção e repressão, sem fazer com que o combate ao crime atropele direitos individuais e aumente a barbárie nas ruas. Jorginho Mello (PL-­SC), Ratinho Junior (PSD-­PR) e Tarcísio de Freitas (Republicanos-SP) seguem o discurso de tolerância zero contra a bandidagem e são frequentemente criticados por abusos. Para a socióloga Carolina Ricardo, diretora-­executiva do Instituto Sou da Paz, é necessária uma abordagem realista, deixando de lado o populismo. “Um programa estruturado exige metas conjuntas, bônus, ações compartilhadas e visão de longo prazo. É preciso ainda segurar a pressão pela ‘Rota na rua’ enquanto resultados não chegam”, diz.

Continua após a publicidade
PREVENÇÃO - Santa Catarina: estado adotou PMs nas escolas após a morte de quatro crianças em creche de Blumenau
PREVENÇÃO - Santa Catarina: estado adotou PMs nas escolas após a morte de quatro crianças em creche de Blumenau (Ricardo Wolffenbüttel/SECOM/.)

Há governantes que tentam somar ao policiamento rigoroso algumas abordagens menos ortodoxas. É o caso do programa RS Seguro, lançado em 2019 por Eduardo Leite (PSDB). Com quatro eixos principais (combate ao crime, políticas sociais preventivas e transversais, qualificação do atendimento ao cidadão e sistema prisional), a ação é coordenada pelo gabinete do governador, que faz reuniões mensais para monitorar os resultados. “É preciso acompanhar, se possível, em tempo real. E com um tripé baseado em três ‘is’: integração, investimento e inteligência. Polícia na rua só não basta”, diz o tucano. Outro ponto simbólico é a modernização do sistema prisional. O governo demoliu a Cadeia Pública, conhecida como Presídio Central, uma masmorra dos anos 1950 no coração de Porto Alegre, que foi classificada pela CPI do Sistema Carcerário, em 2008, como a “pior prisão do país”. Com esgoto a céu aberto, celas sem trancas e livre interação entre os presos, o local era uma “escola do crime”, segundo Leite, que vai erguer outro presídio no local, mais moderno e com maior controle dos detentos. “Temos de aprimorar a inteligência para combatermos o crime organizado dentro e fora da cadeia, senão é enxugar gelo”, afirma.

MUDANÇA - Porto Alegre: pior prisão do país dará lugar a presídio moderno
MUDANÇA - Porto Alegre: pior prisão do país dará lugar a presídio moderno (Mauricio Tonetto/Secom/.)

O cerco ao crime combinado ao olhar social mostra que pode haver bons resultados até em locais que eram símbolos de terra violenta. É o caso do Pará, que nos últimos anos enfrentou traficantes de drogas nas fronteiras, pistoleiros, garimpeiros, grileiros e desmatadores. A taxa de homicídios ainda é alta (30,11), mas era de 54,68 em 2017. Parte da queda se deve a ações do governo Helder Barbalho (MDB), como o Polícia Mais Forte, focado na presença da PM nas ruas e no investimento em inteligência e tecnologia. Também transferiu líderes de facções e instalou câmeras em presídios e nos uniformes dos policiais penais. Por outro lado, investiu no Usinas da Paz, complexos que oferecem serviços de saúde, documentos, capacitação profissional, esporte e lazer. Segundo o governo, a violência nos bairros onde o projeto foi implementado caiu 77%.

TROPA - Ronda no Distrito Federal: taxa de 6,6 policiais por 1 000 habitantes
TROPA - Ronda no Distrito Federal: taxa de 6,6 policiais por 1 000 habitantes (Agência Brasília/.)

Outro investimento comum a esses estados é o uso de tecnologia para prevenção e investigação de crimes. Um exemplo é o Espírito Santo, onde o governo faz leitura facial dos presos, usa inteligência artificial para ler placas de veículos e trabalha com microprocessadores balísticos capazes de identificar de que arma saiu determinado projétil. Um dos programas, o Cerco Inteligente, se transformou numa vasta rede de câmeras instaladas nas principais vias e cidades capixabas. Somada a outras ações iniciadas em 2011, o estado conseguiu sair da segunda posição de mais violento para a 18ª. Governador no terceiro mandato, Renato Casagrande (PSB) diz que planos de longo prazos são fundamentais. “A continuidade da política é que faz a diferença. Não existe bala de prata na segurança pública”, defende.

Continua após a publicidade

arte mortalidade

A aposta na priorização do uso da tecnologia no combate à criminalidade faz parte também da política adotada no Distrito Federal. Unidade da federação com a segunda maior concentração de policiais (6,6 por 1 000 habitantes, atrás do Amapá), o DF tem 500 dispositivos móveis (como um bip) para mulheres vítimas de violência e que estão sob medida protetiva, e 500 tornozeleiras que são colocadas no agressor. O aparelho da vítima pode ser usado para acionar a polícia quando o limite de proximidade não é respeitado. Outra medida foi distribuir um sensor, menor que uma chave de carro, aos comerciantes do Conic, tradicional centro de compras, que pode ser usado para acionar diretamente a PM em caso de algum risco à segurança.

Os estados mais populosos da federação conseguiram avanços, só que mais pontuais, no período pesquisado por VEJA. São Paulo reduziu homicídios (26%), latrocínios (54%) e roubo e furto de veículos, mas essas quedas ficaram abaixo da média nacional — -30%, -59% e -33%, respectivamente. O uso de câmeras corporais pela PM desde 2020 fez a letalidade policial cair nos dois anos seguintes. Ela voltou a crescer em 2023, já na gestão Tarcísio de Freitas. Crítico do uso dos aparelhos, ele se viu pressionado após dezenas de mortes em operações recentes e, na quarta 24, comprometeu-se com o STF a ampliar o uso dos equipamentos — hoje, são 10 125 em metade dos 510 batalhões. Os novos modelos farão leitura de placas de veículos e terão recursos de áudio para que policiais peçam ajuda em operações.

Continua após a publicidade
EDUCAÇÃO - Criança exibe cartaz no projeto Usinas da Paz, no Pará: queda de 77% da violência nas comunidades
EDUCAÇÃO - Criança exibe cartaz no projeto Usinas da Paz, no Pará: queda de 77% da violência nas comunidades (Bruno Cecim/Ag.Pará/.)

Estado que se tornou emblema nacional do avanço da criminalidade, o Rio de Janeiro continua na direção contrária à dos bons exemplos: registrou alta dos homicídios em 2023 (7%) após um período de baixas e o recrudescimento das ações do crime organizado não aponta para um local mais seguro — não à toa, a Força Nacional de Segurança atua no estado desde outubro de 2023. Em Minas Gerais, onde o governador Romeu Zema (Novo) também empunha a bandeira da segurança, o roubo e furto de veículos teve queda expressiva desde 2017 (48%), mas crimes como homicídio e latrocínio recuaram menos que a média nacional. O Paraná baixou o roubo e furto de veículos acima da média (49%) e obteve bons números na apreensão de armas e drogas. Nos casos de homicídios e latrocínios, no entanto, as reduções não foram tão expressivas.

RECORDE - Apreensão de armas em Iporã em 2023: a maior da história do Paraná
RECORDE - Apreensão de armas em Iporã em 2023: a maior da história do Paraná (PM-PR/Divulgação)

As políticas de segurança pública sempre foram uma atribuição dos Executivos estaduais, mas nos últimos anos a pressão vem batendo à porta do governo federal. O Congresso transformou o tema em uma de suas prioridades, com a bancada à direita, majoritária, avançando na aprovação de medidas punitivistas, como a do fim da chamada “saidinha” dos presos. Escalado para representar o Palácio do Planalto nesse debate, o ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski, afirmou nos últimos dias que a criminalidade adquiriu um caráter transnacional, ressaltando que o poder central não tem os instrumentos legais para enfrentar o problema. Ele defendeu a aplicação compulsória de parte do Orçamento em segurança, como já ocorre com saúde e educação. Também disse ser preciso reorganizar o papel de cada ente federativo, para que a União possa traçar diretrizes para o país. Não será fácil. A discussão corrente é no sentido de desvincular as verbas obrigatórias até para saúde e educação. Os estados também devem resistir a esse tipo de mudança. De qualquer forma, é um avanço que Lewandowski tenha aberto essa discussão. “Essa repactuação entre os entes é essencial”, diz Renato Sérgio de Lima, presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

ALERTA - Ato contra o feminicídio no Rio: crime cresceu 58% no país desde 2017
ALERTA - Ato contra o feminicídio no Rio: crime cresceu 58% no país desde 2017 (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Os dados mais recentes mostram que o Brasil avança a passos muito lentos. A taxa de homicídios é de 18,53 (era de 18,57 em 2017), o que coloca o país no patamar do Haiti. Não por acaso, pesquisa Datafolha de abril mostrou que dois em cada três brasileiros não se sentem seguros. A constatação repercute na avaliação dos governantes. Levantamento da Quaest apontou que 42% dos entrevistados acham ruim ou péssima a atuação de Lula nessa área. Na esteira da escalada da criminalidade, não param de surgir discursos demagógicos tentando vender a ideia à população assustada de que é possível resolver um problema complexo com discursos demagógicos e soluções simples. Os bons exemplos de ações adotadas por alguns governos estaduais mostram que essa batalha só pode começar a ser vencida com políticas inteligentes, continuadas e coordenadas. É uma lição que está mais do que na hora de o país aprender.

Continua após a publicidade

Publicado em VEJA de 26 de abril de 2024, edição nº 2890

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.