Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Nadadores admitem que não houve roubo, diz polícia do Rio

Chefe da instituição, Fernando Veloso diz que atletas deixaram dinheiro para pagar prejuízos causados no posto

Em uma tumultuada entrevista coletiva que reuniu a imprensa do mundo inteiro sentada no chão do hall do Teatro Casagrande, no Leblon, a Polícia Civil divulgou detalhes da investigação que desmontou a farsa montada por integrantes da equipe americana de natação. A história divulgada pelo 12 vezes medalhista olímpico Ryan Lochte era de um assalto, com arma apontada para a sua cabeça. Segundo o chefe da instituição, Fernando Veloso, dois companheiros de Lochte admitiram em depoimento que a versão não é verdadeira.

“Não houve roubo da forma relatada pelos atletas. Não foram vítimas dos fatos criminosos que dizem ter sido. Como testemunha, outros atletas contaram a versão que as câmeras nos mostram e que batem com as outras provas que colhemos. Efetivamente eles confirmam que não houve assalto, que esta versão é fantasiosa”, disse o delegado, referindo-se aos depoimentos prestados por Lochte, Gunnar Bentz e Jack Conger.

Leia também:
Lutador Renzo Gracie explica ‘textão’ sobre nadadores dos EUA
Nadadores americanos são retirados do avião pela polícia

O chefe da instituição – que deu entrevista ao lado do titular da Delegacia Especial de Apoio ao Turismo (Deat), Alexandre Braga – confirmou a versão relatada pro site de VEJA, de que os atletas saíram do posto depois de deixarem cerca de 160 reais (uma nota de 100 reais e outra de 20 dólares) como indenização pelos prejuízos que haviam causado. A reportagem mostrou que Lochte e seus companheiros deixaram a Casa França, na Lagoa, às 5h46 da manhã de domingo e, de táxi, eles seguiram para a Barra. Lá, pararam num posto e, quando foram ao banheiro, fizeram arruaça quebrando itens do banheiro como saboneteira e uma placa de publicidade.

Perícia feita na Barra da Tijuca, no Rio - 18/08/2016Perícia feita na Barra da Tijuca, no Rio – 18/08/2016 (Leslie Leitão/VEJA)

Neste momento, eles foram interpelados por ao menos um policial que fazia a segurança do posto de gasolina. Eles foram rendidos pelos seguranças, que os obrigaram a sentar. Em depoimento, de acordo com os delegados, os agentes disseram que foram obrigados a usar a arma, pois um deles (Lochte) estava muito exaltado. “Não houve nenhum tipo de violência enquanto permaneceram no posto. Nada que fizesse eles se sentirem vítimas de roubo”, disse Veloso.

O delegado falou sobre a arma apontada para os nadadores: “Houve arma apontada. Seguranças narraram compleição física dos atletas. Lochte estava muito transtornado. Mas nada que indique que eles sentiram-se obrigados a entregar o dinheiro. Podem ter se sentido? Podem. Mas não há nada que indique isso”.

Ryan Lochte passa com sua carteira pela revista, na entrada da Vila OlímpicaRyan Lochte passa com sua carteira pela revista, na entrada da Vila Olímpica

Liberação — A Polícia Civil disse não ver necessidade de manter os atletas no Brasil, mas a ordem para liberar que voltem para casa – Gunnar Bentz e Jack Conger foram retirados de dentro do avião – só pode ser dada por um juiz. James Feigen, que mentiu em depoimento, continua no Brasil e advogados já fizeram contato com a Deat para que ele seja apresentado e ouvido novamente. O FBI está acompanhando o trabalho da Deat e Lochte deverá ser ouvido novamente por carta rogatória (lá nos Estados Unidos).

O delegado cobrou um pedido público de desculpas pela farsa montada por Lochte e cia. “Acho que eles devem um pedido de desculpa aos cariocas que viram a cidade ser manchada por uma versão fantasiosa”, concluiu Veloso.

Confira imagens das câmeras que gravaram a noite de baderna dos nadadores

Os americanos chegam à festa e passam pelo detector de metal:

 

Nadadores deixam a festa:

 

Lochte e seus colegas arrumam confusão em posto de gasolina:

 

 

 

 

Nadadores retornam à Vila Olímpica:

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Não entendi qual a necessidade de envolvimento do FBI; eles não são competentes para investigar nada aqui no Brasil. E sobre o caso tudo costuma ser assim: estrangeiro apronta aqui e depois sai notícia de que foi assaltado e constrangido. Este caso só apareceu porque foi algo mais simples. Um bom exemplo para um monte de “foca” que adora “largar brasa” na imagem do país e apontar falhas da segurança aqui.

    Curtir

  2. Luiz Renato Fogagnolo

    Baderneiros e inconsequentes existem em todo lugar, tanto no Brasil, como nos EUA, e no resto do mundo. Agora se um brasileiro fizesse isso lá nos EUA, estaria preso, ou até em condições piores. Já aqui, provavelmente vão dizer que houve violação dos direitos humanos… Falta educação para essa geração…

    Curtir

  3. Arlindo Forni

    Estes atletas deveriam ser mantidos presos pela falsidade e danos causados.

    Curtir

  4. Realmente, a história tá muito mal contada. A história da POLÍCIA!!!

    Curtir

  5. Ta faltando 3 minutos da fita. pularam horário em 3 minutos!

    Curtir

  6. Sem exageros tudo se resolve, pior são as vaias, que vexame.

    Curtir