Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Morte e agressão paralisam investigação sobre PCC e cooperativas de ônibus

Duas testemunhas de apuração sobre fraudes em companhias de micro-ônibus contratadas pela prefeitura de São Paulo foram atacadas neste ano

O assassinato de uma testemunha e o espancamento de outra provocaram a paralisação de uma investigação do Ministério Público que apurava irregularidades em contratos da São Paulo Transporte (SPTrans), empresa da prefeitura de São Paulo que gerencia o sistema de ônibus, com nove companhias de micro-ônibus. Formadas por antigos perueiros, as empresas são suspeitas de ligação com a facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC).

MP apura nova fraude em cooperativas de ônibus contratadas por Haddad

O objetivo do Ministério Público era verificar supostas fraudes em contratos da prefeitura com as empresas, que não teriam capacidade técnica nem financeira para operar as frotas de micro-ônibus na periferia da cidade. Indícios apontavam para o uso das empresas para lavagem de dinheiro do crime organizado.

Uma das testemunhas que colaboravam com as investigações havia dito que os novos patrões estavam retendo parte dos pagamentos que a prefeitura fazia ao sistema. Dessa forma, os cooperados tinham prejuízo e se viam obrigados a vender seus veículos. As novas frotas, que cresciam aos poucos, serviriam para dar capacitação técnica às empresas na disputa da futura licitação do transporte público do município – o que vai ocorrer no mês que vem.

O primeiro ataque contra uma das testemunhas do Ministério Público aconteceu no dia 6 de fevereiro. O perueiro Sérgio da Conceição Nobre de Oliveira, de 36 anos, estava na Rua Joaquim Marra, na Vila Matilde, Zona Leste da capital paulista, quando foi baleado. O lugar fica próximo de uma das garagens da empresa Allianz (antiga Cooperativa Paulistana). “Eu ia ingressar com a ação dele. Já tínhamos conversado e ele estava disposto a colaborar com o Ministério Público”, afirmou o advogado André Luis Lopes, que representa perueiros supostamente prejudicados.

Segundo perueiros, Oliveira teria sido um dos primeiros a rebelar-se contra a falta de pagamentos por parte das novas empresas e ameaçava ir à Justiça. Entre eles, circula um vídeo da morte de Sérgio, cujas imagens mostram a vítima ensanguentada.

O segundo episódio aconteceu no dia 8 de abril. Eram 23h40, quando outra testemunha, cujo nome é mantido em sigilo, foi atacada por um homem mascarado quando voltava do trabalho para casa. “Sem dizer nada, ele partiu para cima”, disse a testemunha, em depoimento aos promotores. O criminoso deu um soco na têmpora da vítima, jogando-a contra um tanque de roupas. A surra continuou, até que os gritos da testemunha fizeram pessoas se aproximarem. O agressor se afastou, entrou em um carro que o aguardava e fugiu.

Ao denunciar o ataque ao Ministério Público dois dias depois, a testemunha contou que a surra aconteceu depois que ela havia tentado denunciar as pressões contra os perueiros em uma audiência pública da prefeitura para a apresentação do edital do novo sistema de transporte. A vítima afirmou que foi ameaçada pelo dirigente de uma das empresas Valter Bispo. O nome dele consta como representante da empresa Transcap no contrato com a prefeitura. Diante do caso, o MP pediu a inclusão da testemunha no Programa Estadual de Proteção a Vítimas e Testemunhas (Provita). Ela não está mais na cidade.

Carta liga líderes do PCC ao controle de lotações em São Paulo

PCC usa transporte coletivo para lavar dinheiro em São Paulo, diz MP

A promotora responsável Karyna Mori, da 6ª Promotoria do Patrimônio Público e Social, disse que, depois desse episódio, não teve mais como continuar as investigações sobre a fraude. “Só me resta, agora, acompanhar o edital e a licitação do transporte para tentar identificar algum favorecimento às empresas, uma vez que, sem testemunhas, fico restrita à análise burocrática”, disse a promotora. O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) também possui uma frente de investigação. Documentos indicam vínculos da cúpula do PCC com a operação dos micro-ônibus. A morte de Oliveira é investigada por um inquérito aberto pelo 21º Distrito Policial (Vila Matilde).

Haddad – O secretário municipal de Transporte, Jilmar Tatto (PT), disse à promotora Karyna Mori que “a responsabilidade de apurar crime organizado é da polícia e do Ministério Público”. Segundo Tatto, que já foi investigado por suspeita de favorecer as cooperativas, a gestão Fernando Haddad (PT) não tem a obrigação de impedir a infiltração de facções criminosas na operação dos ônibus da capital paulista.

Tatto disse que a prefeitura decidiu passar a gestão da frota para as novas empresas atendendo a um pedido das próprias cooperativas: “Elas falaram que queriam virar empresas”. O secretário afirmou que uma auditoria nas contas do sistema de transporte também recomendou que a prefeitura encerrasse o serviço das cooperativas. Tatto alegou ainda que as novas empresas, constituídas por ex-cooperados, têm capacidade técnica necessária para operar o sistema. “Tanto que o sistema não parou”, disse.

Um das empresas investigadas pelo Ministério Público, porém, contradiz o secretário. “A Transwolff informa que foi convidada pela SPTrans a assumir o contrato emergencial de operação do transporte coletivo em parte da Zona Sul de São Paulo, na área onde antes operava a Cooper Pam, e apresentou todos os documentos solicitados, entre eles a comprovação de que já presta o mesmo serviço de transporte coletivo no interior do Estado”. Apesar de ser alvo de inquérito, a Transwolff não foi relacionada a nenhum dos casos de violência citados pela promotoria.

(Com Estadão Conteúdo)