Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Manifestantes pró-intervenção militar entram em confronto com a Marcha das Mulheres Negras em Brasília

Homem foi preso depois de efetuar disparos de arma de fogo no meio da confusão. Renan pedirá que PF e PM investiguem presença de armamento nas barracas

Por Felipe Frazão
18 nov 2015, 14h44

Integrantes da Marcha das Mulheres Negras e manifestantes que pedem a intervenção militar entraram em confronto nesta quarta-feira em frente ao Congresso Nacional. Houve disparos de armas de fogo, e ao menos um homem foi preso pela Polícia Militar. Ele é suspeito de atirar pelo menos três vezes para o alto. Policiais o identificaram como um policial civil maranhense. Ele portava uma pistola preta escondida dentro de uma mochila verde e estava de boné e óculos escuros.

O presidente do Congresso, Renan Calheiros, afirmou que pedirá à Polícia Federal e à Polícia Militar que investiguem a existência de armas de fogo e bombas nas barracas dos acampados. Desde a semana passada, esta é a terceira ocorrência registrada no acampamento.

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirmou que vai analisar que providências podem ser tomadas e que a violência é fruto de grupo antagônicos e de provocações. “O episódio foi estranho. Tem milícias ali que estão se provocando mutuamente. Eu preciso saber exatamente o que aconteceu. Eu autorizei a permanência deles [no gramado] dentro de determinadas condições. Claro que a gente não concorda com nenhuma dessas coisas, nem com as provocações, nem com as reações. Em última instância, é óbvio que sempre vou preservar a integridade. No momento em que afetar a ordem vou tomar providência.”

O tumulto interrompeu a votação dos vetos presidenciais na sessão do Congresso Nacional. O deputado Ivan Valente (PSOL-SP) coletou duas cápsulas deflagradas no gramado em frente ao Legislativo e levou ao plenário. O líder do governo, José Guimarães (PT-CE), cobrou um reforço na segurança. “O protesto é legítimo, mas do jeito que está não dá. Tem que fazer uma varredura.”

Continua após a publicidade

Na confusão, o deputado Paulo Pimenta (PT-RS) foi atingido por spray de pimenta. Também foram arremessadas bombas de fabricação caseira. A Polícia Legislativa teve de reforçar a segurança e interveio no tumulto entre manifestantes, integrantes da CUT (Central Única dos Trabalhadores) e da marcha. As mulheres e os grupos anti-Dilma trocaram agressões e provocações. Elas conseguiram arrancar faixas contra o governo e derrubaram o boneco inflável em homenagem ao general Antonio Hamilton Mourão, afastado do Comando Militar do Sul depois de criticar a presidente e conclamar a tropa ao “despertar da luta patriótica”.

O deputado Ivan Valente (PSOL-SP) levou ao plenário duas das cápsulas deflagradas no gramado do Congresso
O deputado Ivan Valente (PSOL-SP) levou ao plenário duas das cápsulas deflagradas no gramado do Congresso (VEJA)
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.