Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Justiça permite tratar homossexualidade como doença

Liminar de juiz do DF determina que terapias de “reversão sexual” não podem ser proibidas por Conselho Federal de Psicologia

A Justiça Federal do Distrito Federal permitiu, em caráter liminar, que psicólogos possam tratar gays e lésbicas como doentes e possam fazer terapias de “reversão sexual” sem sofrer nenhum tipo de censura por parte do Conselho Federal de Psicologia (CFP). Esse tipo de tratamento é proibido por meio de uma resolução editada pelo CFP em 1999, já que desde 1990 a homossexualidade deixou de ser considerada doença pela Organização Mundial da Saúde. O CFP vai recorrer às instâncias superiores.

Na decisão, o juiz Waldemar Cláudio de Carvalho acata parcialmente o pedido de liminar da ação popular que requeria a suspensão da resolução 01/1999, na qual são estabelecidas as normas de conduta dos psicólogos no tratamento de questões envolvendo orientação sexual. O juiz mantém a resolução, mas determina que o Conselho Federal de Psicologia não impeça os psicólogos de promover estudos ou atendimento profissional, de forma reservada, pertinente à reorientação sexual, sem nenhuma possibilidade de censura ou necessidade de licença prévia.

 (Reprodução/VEJA.com)

Pedro Paulo Bicalho, diretor do CFP e professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), disse que a classe considera essa decisão um retrocesso sem precedentes. “O juiz mantém a resolução em vigor, mas descaracteriza o princípio ético da resolução. Mais do que isso. Ele pede que o Conselho interprete a resolução de outra forma. Mas somente a psicologia pode dizer como devemos interpretar uma resolução, e não o direito. Da forma como foi colocado, abre um precedente perigoso”, avalia Bicalho.

De acordo com ele, essa resolução foi elaborada pela própria categoria e serve como embasamento para julgamentos de práticas profissionais consideradas antiéticas. “Essa resolução tem servido como garantia de direitos da população LGBT. Ela é referência mundial e está traduzida em três línguas. Vamos recorrer até a última instância, se for necessário”, afirma Bicalho.

O Brasil tem cerca de 300.000 psicólogos e até hoje apenas três profissionais foram julgados pela prática de “reversão sexual”. Nenhum foi cassado.

Symmy Larrat, presidente da Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Travestis e Transexuais (ABGLT), disse que a entidade repudia a decisão da Justiça e a considera um equivoco ao querer determinar como o CFP deve agir, referente a uma resolução da categoria.

“Para nós, LGBT, esta decisão nos coloca de volta num cenário onde homossexuais eram tratados como doentes e torturados. Sabemos que há práticas de tortura psicológica e até exorcismos sendo cometidos contra jovens homossexuais e esta decisão reforça este tipo de situação. Infelizmente a homofobia está internalizada no Judiciário também, mas acreditamos que o Superior Tribunal Federal não permitirá que isso ocorra”, afirmou Larrat.

‘Cura gay’

A decisão da Justiça Federal permite algo que um PDC (Projeto de Decreto Legislativo) pretendia conseguir. Em 2011, o deputado federal do PSDB de Goiás, João Campos, protocolou na Câmara dos Deputados um PDC para suspender a resolução do Conselho Federal de Psicologia, o que ficou conhecido como projeto da “cura gay”.

Dois anos depois e sob muitos protestos, o projeto foi aprovado pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara, mas após quinze dias o próprio autor fez um requerimento pedindo o cancelamento da tramitação de sua proposta. O PSOL, do deputado federal Jean Wyllys, pede mais do que o arquivamento da proposta: quer que ela não possa ser reapresentada. Dois dias depois, um novo projeto de suspensão da resolução foi apresentado, e imediatamente rejeitado.

 

Comentários

Não é mais possível comentar nessa página.

  1. Lucas Carvalho

    kskskskskkssk krl, sempre soube

    Curtir

  2. A questão não é se é doença ou não, mas o ser humano que pedir ajuda, se a pessoa não quer ser homossexual mais ou tem tendência mas não quer, ele deve sim pedir ajuda!!! Que mal há nisso?!?!

    Curtir

  3. Matheus de Brás Castro

    Ceis tão de brincadeira , vcs que tão doente

    Curtir

  4. Matheus de Brás Castro

    Mó fita errada

    Curtir

  5. A resolução do concelho de psicologia do país proibia qualquer terapia, investigação científica ou estudo se homossexualidade poderia ser reorientação . Uma decisão ideológica sem base na ciência que impedia até quem queria fazer a reorientação de fazer oque o juiz fez foi só derrubar uma decisão tirana que atrapalhava os psicólogos e pacientes de terem a liberdade de escolher como lidar com as dores individuais e desejos de seus pacientes. Porque existe uma dor emocional que não podia ser tratada conforme o desejo de cada paciente. Homossexualidade não é doença mas a dor que a a pessoa possa estar passando é doença que pode vir a trazer o suicídio e essa dor tem que ser livre para ser tratada como o paciente achar melhor e não oque o concelho e a ideologia não científica mas filosófica deles quer atrapalhar

    Curtir

  6. Fernando Mello

    Viram?
    Eu falei que a mídia já está dominada…
    Censuraram meu post…

    Curtir

  7. Pedro Luis da silva

    SE eu quiser ser tratado porque me considero doente, por ser homossexual? é um direito que me assiste. Psicólogos que entendem assim, podem ajudar-me. Qual o problema? A verdade absoluta não cabe neste tema. Ou cabe para alguns?

    Curtir

  8. Já pensou o Pabllo transformado em macho alfa. A esperança é a última que morre.

    Curtir

  9. A Justiça está correta. O paciente tem o direito de se tratar se acha que precisa. O profissional tem o direito de atuar na área que se capacitou. Essa minoria acha que pode subjugar a todos. #Bolsonaro2018 pra nos libertar.

    Curtir

  10. O Laerte pode virar Lady Sônia (existem nomes melhores), mas o Wyllys virar macho alfa (com o nome de Pabllo, por exemplo) não pode? Puro preconceito.

    Curtir