Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Justiça exclui Suzane Richthofen da herança dos pais

Juiz a considerou 'indigna' de receber o patrimônio da família, estimado atualmente em 10 milhões de reais

Por Da Redação
Atualizado em 5 jun 2024, 09h12 - Publicado em 20 mar 2015, 21h40

Após quase treze anos correndo na Justiça, chegou ao fim neste mês a ação que tirou de Suzane von Richthofen o direito à herança dos pais, Marísia e Manfred von Richthofen , assassinados em 2002. O juiz José Ernesto de Souza Bittencourt Rodrigues, da 1ª Vara da Família e Sucessões de São Paulo, considerou Suzane “indigna” do direito à herança e determinou que o patrimônio do casal seja entregue em sua totalidade ao irmão dela, Andreas Albert von Richthofen. Na época do crime, a herança foi avaliado em 3 milhões de reais, mas em valores atualizados é estimada em 10 milhões de reais.

Condenada a 39 anos e seis meses de prisão, Suzane foi acusada de arquitetar a morte dos pais com os irmãos Daniel e Christian Cravinhos, que executaram o casal enquanto dormia.

“Uma vez transitada em julgado a sentença deste juízo que determinou a exclusão, por indignidade, da herdeira Suzane Louise von Richthofen, relativamente aos bens deixados por seus pais, ora inventariados, defiro o pedido de adjudicação formulado pelo único herdeiro remanescente, Andreas Albert von Richthofen”, escreveu o magistrado no despacho.

O interesse pelos bens da família era um motivos apontados pela promotoria para Suzane ter planejado o crime. No ano passado, ela enviou um comunicado à Justiça, informando que não pretendia receber a herança dos pais.

Após ficar encarcerada por mais de doze anos em regime fechado, Suzane ganhou o direito de progredir de pena para o semiaberto. No entanto, ela recusou o benefício “por questões de segurança” e a Justiça decidiu mantê-la na Penitenciária de Tremembé, no interior de São Paulo. Os irmãos Cravinhos também ganharam o direito e atualmente cumprem pena em regime semiaberto.

Continua após a publicidade

Leia também:

Irmão de Suzane quebra o silêncio após doze anos: ‘Crime nojento’

Suzane Richthofen: ‘Não é fácil estar presa sem minha família’

(Da redação)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.