Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Irmão de Suzane quebra o silêncio após doze anos: ‘Crime nojento’

Em carta escrita a promotor que citou supostas contas de seu pai no exterior, Andreas von Richthofen se refere à irmã como assassina

Por Da Redação
Atualizado em 5 jun 2024, 10h12 - Publicado em 6 mar 2015, 16h35

Doze anos após o assassinato dos pais, Andreas von Richthofen, irmão de Suzane, manifestou-se publicamente pela primeira vez. Formado em farmácia pela Universidade de São Paulo e doutor em química orgânica, o jovem de 27 anos concedeu uma breve declaração à Rádio Estadão. E encaminhou ao veículo uma carta em que questiona o promotor Nadir de Campos Júnior sobre declarações a respeito de seu pai. No texto, Andreas se refere à irmã como assassina e ao crime cometido por ela ao lado dos irmãos Christian e Daniel Cravinhos como “nojento” – em 2002, o trio executou o casal a pauladas na cama em que Manfred e Marísia von Richthofen dormiam.

A carta de Andreas, publicada na íntegra pelo site do jornal O Estado de S. Paulo, questiona Campos Júnior, um dos responsáveis pela condenação de Suzane, sobre declarações dadas pelo promotor a um programa de televisão. Na última segunda-feira, ele afirmou que Manfred tinha contas na Suíça para as quais enviava dinheiro desviado de obras do Desenvolvimento Rodoviário S/A (Dersa), empresa onde trabalhava. E que Suzane era beneficiária de tais contas. Disse, ainda, que esse dinheiro poderia ter motivado os assassinatos, uma vez que ela administraria as contas.

O irmão de Suzane se negou a responder perguntas e falou de sua vontade de deixar o país. “Aqui no Brasil o sobrenome von Richthofen tem um peso muito grande”, disse.

Leia também:

Com saída de Sandrão, Suzane volta à cela das solteiras

Continua após a publicidade

Suzane Richthofen: ‘Não é fácil estar presa sem minha família’

Como a ex Suzane, Daniel Cravinhos reencontra o amor

Na carta ao promotor, Andreas questiona: “Gostaria que o senhor declarasse esta situação: se há contas no exterior, que o senhor apresente provas, pois eu também quero saber (…) Mas, que, se isso não passar de boatos maliciosos e não existirem provas, que o senhor se retrate e se cale a esse respeito, para não permitir que a baixeza e a crueldade deste crime manche erroneamente a reputação de pessoas que nem mais aqui estão para se defender. Meus pais: Manfred Albert e Marísia von Richthofen”. E prossegue: “Entendo que sua raiva e indignação para com esses três assassinos seja imensa, e muito da sociedade compartilha esse sentimento. E eu também. É nojento”. À Rádio Estadão, Andreas afirmou que se sente ferido toda vez que a imprensa divulga algo sobre o crime ou seus desdobramentos.

(Da redação)

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.