Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Ex-assessor dos Bolsonaro, Queiroz detalha relação com capitão Adriano

Suposto operador da rachadinha de Flávio Bolsonaro diz que miliciano era melhor policial que conheceu e fala com frieza de homicídio cometido ao lado dele

Por Sofia Cerqueira, Caio Sartori Atualizado em 18 mar 2022, 17h25 - Publicado em 20 mar 2022, 08h30

Apontado como chefe do grupo de matadores de aluguel Escritório do Crime, o ex-capitão do Bope Adriano da Nóbrega, morto pela polícia na Bahia em 2020, era íntimo de Fabrício Queiroz. A estreita ligação entre o homem de confiança de Flávio Bolsonaro e o miliciano foi confirmada pelo próprio Queiroz durante entrevista a VEJA. “Melhor policial que eu conheci na minha vida. Não tem um processo que condene ele. Nada, nada, nada”, defende o PM da reserva, denunciado como o operador do esquema de “rachadinha” no gabinete de Flávio quando ele atuava como deputado estadual no Rio de Janeiro. “O Adriano era criador de gado, era de vaquejada, um cara da roça”, dá sua versão sobre o amigão, que era conhecido com um policial frio e exímio atirador, que chegou a ser preso quatro vezes, antes de ser expulso da Polícia Militar.

Foi o ex-capitão quem, segundo Queiroz, o avisou do fato de estar correndo risco de morte, logo depois que estourou o caso da “rachadinha” no gabinete do Zero Um de Jair Bolsonaro. O suposto alerta, acrescentou ainda o PM reformado na entrevista, foi um dos motivos para sua fuga para a casa em Atibaia, interior de São Paulo. Ali, onde o operador dos desvios de salários no feudo de Flávio na Assembleia Legislativa do Rio foi preso em junho de 2020, Queiroz contou com a ajuda de Frederick Wassef, advogado de Bolsonaro, que chegou a defender o hoje senador no processo da “rachadinha”.

Queiroz fala a VEJA sobre caso das rachadinhas e laços com o clã Bolsonaro

“Se eu fosse o presidente, me botaria a seu lado”, diz Queiroz a VEJA

A amizade de Queiroz e o finado Adriano da Nóbrega vem de longa data. Os dois foram lotados no 18º Batalhão da Polícia Militar, em Jacarepaguá, pelo qual atuaram juntos em várias operações em favelas cariocas. Recentemente, o Ministério Público fluminense determinou novas diligências no caso da morte do técnico de refrigeração Anderson Rosa de Souza, na Cidade de Deus, que foi praticada por Queiroz e Adriano, em 2003. Quando questionado sobre o que realmente ocorreu durante incursão à comunidade na Zona Oeste fluminense – registrado como auto de resistência, mas com suspeitas de execução –, o assessor dos Bolsonaro demonstra extrema frieza. “O cara está lá no inferno, porque era um vagabundo, e eu aqui, graças a Deus. Chorou a mãe dele”, dispara. Em seguida continua com sua versão: “Era bandido, gerente do tráfico lá. Vagabundo, estava de fuzil. Trocou tiro com a gente e quem morreu foi ele. Reagi a uma injusta agressão.”

Queiroz diz por que depositou 89 mil reais na conta de Michelle Bolsonaro

Queiroz também dá sua justificativa para o fato de Danielle Mendonça, ex-mulher de Adriano, e Raimunda Veras Magalhães, mãe do miliciano, terem sido nomeadas no gabinete de Flávio – elas estão entre as 17 pessoas denunciadas em novembro de 2020 pelo MP. Segundo o ex-assessor, Danielle distribuía doces de Cosme e Damião acompanhados de santinhos eleitorais do filho primogênito de Jair Bolsonaro na porta do presídio em que o futuro chefe do Escritório do Crime esteve preso pela primeira vez, após sua guarnição matar um guardador de carros. Em julho de 2007, com Adriano já livre da primeira detenção e como forma de lealdade aos Nóbrega, Flávio nomeou a mulher no gabinete. Só sairia de lá em novembro de 2018, quando o escândalo da “rachadinha” estava prestes a explodir. “Ela levava ônibus e mais ônibus lá para a Alerj, onde havia muitos policiais indo fazer reclamações. Ela trazia, agregava, começou a comprar a briga dos policiais”, alega o suposto operador dos desvios.

Já Raimunda, ou “Dona Vera”, teria sido responsável por comandar no mandato de Flávio o “Disk Multas”, que ajudava eleitores a recorrerem de punições de trânsito. Com a experiência de ter trabalhado no Detran, era “expert nisso”, segundo Queiroz. A promotoria fluminense, no entanto, considera a ex-mulher e a mãe do miliciano mais duas peças do esquema operado pelo antigo companheiro de batalhão de Adriano. Na denúncia, os promotores elencam provas de que o dinheiro recebido pelas assessoras não permanecia em suas contas. Numa das conversas obtidas ao longo da investigação, o ex-capitão do Bope afirma para Danielle, após a ex-companheira reclamar que Queiroz lhe avisara que precisaria ser exonerada porque a “rachadinha” viria à tona, que “contava com o que vinha do seu também”.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)