Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

De olho nas eleições, Ciro Nogueira reforça artilharia contra Lula

Escudeiro fiel de Bolsonaro, o senador tem o objetivo imediato de evitar uma derrota para o PT na disputa municipal do Piauí - mas também mira 2026

Por Laísa Dall'Agnol Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO Atualizado em 3 jun 2024, 16h59 - Publicado em 6 abr 2024, 08h00

Figura conhecida dos mais altos círculos da política brasileira há pelo menos três décadas, o senador Ciro Nogueira (PP-PI) calcou sua trajetória em um posicionamento característico do grupo ao qual pertence e ao qual ajudou a dar a visibilidade que tem hoje — o poderoso Centrão. Navegando entre os meandros dos jogos de poder, sempre optou pela política de boa vizinhança com o presidente da ocasião e o conglomerado a ele anexado, mesmo que isso significasse uma oscilação de um lado a outro no espectro ideológico, o que lhe garantiu um perfil de habilidoso articulador no Congresso. Agora, no entanto, o cenário é outro. Mesmo tendo em conta um Jair Bolsonaro totalmente encrencado na Justiça, Ciro não abandonou o ex-presidente, de cujo governo foi uma espécie de primeiro-ministro. Com isso, o senador faz uma espécie de estreia oficial na oposição.

No estilo franco-atirador, cada vez mais tem voltado as baterias contra o governo de Luiz Inácio Lula da Silva, de quem já foi aliado no passado. O objetivo mais imediato da artilharia é regional: evitar uma derrota para o PT nas eleições municipais do Piauí. A principal arena do embate é a capital, Teresina. Ciro declarou apoio ao atual candidato mais bem colocado nas pesquisas, o ex-prefeito Silvio Mendes (União Brasil), dentro de uma aliança com o Progressistas e o Republicanos. Apesar do favoritismo, a campanha não será fácil, pois o rival tem um arco de apoios igualmente poderoso. Mendes aparece à frente do deputado estadual Fábio Novo (PT), candidato do governador do estado, Rafael Fonteles (PT), “herdeiro” de Wellington Dias, atual ministro do Desenvolvimento.

ALIANÇA - Com o ex-presidente: trabalho na Casa Civil garantiu governabilidade
ALIANÇA - Com o ex-presidente: trabalho na Casa Civil garantiu governabilidade (Mateus Bonomi/Anadolu Agency/Getty Images)

Para fazer frente aos rivais, um dos ativos do senador é justamente a aliança com Bolsonaro. A aproximação decisiva entre eles se deu em meados de 2021, quando Ciro assumiu a Casa Civil do então governo. Como um dos caciques do Centrão, ele foi um dos principais interlocutores a garantir a sustentação política de uma administração até então mambembe. Independentemente do destino dos inquéritos que tiram o sono hoje do ex-presidente, é certo que ele seguirá sendo um cabo eleitoral importante. Ciente disso, Ciro se coloca atualmente como um porta-voz do bolsonarismo.

Além de críticas contumazes a Lula — ao qual tem se referido como “governo da decepção” —, com disparos que vão desde a meta fiscal até o inchaço da máquina pública, o senador se dispõe até a defender Bolsonaro nos enroscos do ex-capitão com a Justiça. Em março, criticou as declarações de militares à Polícia Federal na investigação que apura a suposta tentativa de golpe de Estado e apontou prevaricação dos envolvidos. Em depoimento, o ex-comandante do Exército Marco Antônio Freire Gomes disse que o plano fora apresentado por Bolsonaro.

Continua após a publicidade
RIVAIS - Rafael Fonteles e Wellington Dias: desafio na briga por Teresina
RIVAIS - Rafael Fonteles e Wellington Dias: desafio na briga por Teresina (Gabriel Paulino/Governo do Piauí/.)

Tamanho esforço oposicionista vai muito além do plano dele de garantir uma vitória em Teresina. A movimentação de Ciro é também uma contraposição ao próprio PT, dentro de uma estratégia para fortalecer as alianças políticas no Piauí e, assim, garantir uma eventual renovação de seu mandato em 2026. Aliados apontam que o senador terá como entrave justamente a virada de chave à direita em seu posicionamento político. Como o estado é majoritariamente petista — o presidente teve mais de 74% dos votos na última eleição —, a pecha bolsonarista jogaria contra. Por essa razão, uma vitória em Teresina — cidade que historicamente não elege petistas — seria um passo importante para a briga por uma nova cadeira no Senado.

Em paralelo à rinha regional, Ciro tenta atuar como importante articulador de uma aliança de centro-direita para a disputa à Presidência em 2026. Tem partido dele, como líder do PP, a articulação com o União Brasil e o Republicanos de Tarcísio de Freitas, governador de São Paulo, para a criação de um novo conglomerado de partidos. O senador encomendou recentemente uma sondagem de possíveis nomes ao Palácio do Planalto para o Instituto Paraná Pesquisas e apresentou o resultado em Brasília a um grupo de governadores de oposição. Os nomes testados contra Lula tiveram um bom desempenho, a exemplo da ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro e de Tarcísio de Freitas. Ciro também decidiu se testar e aparece com 29% dos votos contra Lula (mais de quinze pontos abaixo), com um “detalhe” que pode ter anabolizado o resultado: foi perguntado aos entrevistados se votariam nele caso o senador tivesse o apoio do ex-presidente. A despeito da habilidade camaleônica de um político que esteve ao lado de todos os governos desde a era Fernando Henrique Cardoso, ninguém leva muito a sério a possibilidade de vê-lo como cabeça de chapa, nem mesmo o próprio. “Serei candidato a vice de Bolsonaro, ou de quem ele indicar”, afirmou Ciro a VEJA. Independentemente do assento, o franco-atirador quer mesmo é garantir desde já um espaço vip no combo de direita para 2026.

Publicado em VEJA de 5 de abril de 2024, edição nº 2887

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.