Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Daciolo diz que será candidato a prefeito do Rio fora da polarização

Filiado ao Republicanos, ex-deputado quer aproveitar rompimento do partido com o prefeito Eduardo Paes

Por Lucas Mathias Atualizado em 10 jun 2024, 13h01 - Publicado em 10 jun 2024, 12h59

O ex-deputado federal Cabo Daciolo será candidato a prefeito do Rio pelo Republicanos, após o rompimento do partido com o atual mandatário, Eduardo Paes (PSD). A VEJA, ele disse que o lançamento de seu nome está alinhado com a cúpula do partido e contou de seu ambicioso sonho na política: chegar à Presidência da República. Para o pleito municipal, o bombeiro militar e pastor evangélico vai buscar se desvencilhar da polarização entre Lula e Bolsonaro. 

Aos 48 anos, Daciolo se filiou ao Republicanos no dia 5 de abril, no limite da janela definida pelo Tribunal Superior Eleitoral, após “inspiração divina”, como ele mesmo conta. A chegada foi sacramentada depois de conversa com o presidente estadual da legenda no Rio, Waguinho. É o seu sétimo partido, em uma trajetória política diversa: começou no PSOL, em 2014, antes de passar por siglas como o PL e o PDT, onde estava filiado até então. 

O caminho para a candidatura de Daciolo foi aberto depois que o Republicanos anunciou publicamente seu desembarque do governo Paes, na semana passada. E, consequentemente, o rompimento do apoio ao atual prefeito, pré-candidato à reeleição. Segundo nota divulgada pelo partido, o motivo foi o não cumprimento de acordos por parte do alcaide, como a filiação de candidatos e obras prometidas, que não aconteceram. 

“Desde 2020 tento vir candidato a prefeito ou ao governo do estado. E toda vez Paes ou o governador Claudio Castro distribuem cargos, compram o partido em que estou e asfixiam minha candidatura. Me filiei ao Republicanos pensando em ser prefeito. Depois, quero chegar à Presidência da República”, projeta. 

Continua após a publicidade

Candidato ao Palácio do Planalto em 2018 pelo Patriota, ele teve 1,3 milhão de votos e ficou à frente de nomes como Marina Silva e Henrique Meirelles. Na ocasião, fez o papel de “terceira via”, o que pretende repetir agora. Nesta segunda-feira, 10, Daciolo se reuniu com o ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, um dos caciques do Republicanos no Rio. E diz ter alinhado com ele seus planos eleitorais. 

“Meu nome não está associado a Lula, como Eduardo Paes, e nem a Bolsonaro, como Alexandre Ramagem. Quero representar as milhões de pessoas que costumam votar em branco, nulo e nas abstenções”, diz.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.