Clique e Assine VEJA por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Carta ao Leitor: Um drama persistente

A intensidade da seca observada ao longo desta década é um alerta claro da natureza sobre a necessidade de proteger o cerrado e a Amazônia

Por Da Redação Atualizado em 4 jun 2024, 13h15 - Publicado em 6 ago 2021, 06h00
ARIDEZ - Jana Sampaio e Alex Ferro (no alto) foram ao cerrado de Minas Gerais; Egberto Nogueira e Ricardo Ferraz estiveram no oeste do estado de São Paulo: as equipes de VEJA veem de perto a pior seca registrada em 111 anos -
ARIDEZ - Jana Sampaio e Alex Ferro (no alto) foram ao cerrado de Minas Gerais; Egberto Nogueira e Ricardo Ferraz estiveram no oeste do estado de São Paulo: as equipes de VEJA veem de perto a pior seca registrada em 111 anos – (Alex Ferro; Egberto Nogueira/Ímãfotogaleria/.)

“Um dia… Sim, quando as secas desaparecessem e tudo andasse direito… Seria que as secas iriam desaparecer e tudo andar certo? Não sabia.” Em Vidas Secas, o seminal romance de Graciliano Ramos de 1938, cuja beleza melancólica está intrincada no inconsciente coletivo brasileiro, o chão rachado, os caminhos feitos de espinhos e seixos e o inclemente sol a pino iluminavam uma tragédia brasileira de séculos. Agora em 2021, o país vive uma nova e severa estiagem. Cerca de 40% do território nacional está árido. Em sete estados (Bahia, Sergipe, Rio Grande do Norte, Mato Grosso do Sul, Tocantins, São Paulo e Rio Grande do Sul), 100% da área atravessa período de secura. Outros três estados (Ceará, Goiás e Paraná) chegam a 99% de terreno esturricado. O tamanho do estrago: o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais e o Ministério de Minas e Energia dizem ser a pior seca da série histórica (fenômeno que começou a ser medido em 1910), dos últimos 111 anos.

A secura deve ser atenuada a partir de novembro, quando começa a temporada de chuvas. No entanto, a intensidade do fenômeno observada ao longo desta década é um alerta claro da natureza sobre a necessidade de proteger o cerrado e a Amazônia. Os dois biomas são responsáveis pela regulação do clima no país, enviando, por meio de correntes atmosféricas, canais de umidade que garantem chuvas frequentes e abundantes. Se a seca persistir, porém, haverá efeitos diretos sobre a economia, com novos aumentos de luz e provável redução do crescimento do PIB. Tudo indica que o racionamento energético, fantasma da crise de 2001, está descartado, já que o país investiu na construção de termelétricas — e elas são capazes, ao menos momentaneamente, de diminuir a pressão de uma matriz energética que depende 60% das hidrelétricas. Contudo, os sistemas de abastecimento de água, já bastante ressecados, podem colapsar. Complexo, o cenário já é observado em Curitiba e em boa parte do interior de São Paulo, que estão sob rodízio ou racionamento de água desde março de 2020.

Para acompanhar de perto o atávico drama, VEJA enviou duas duplas de jornalistas a campo. A repórter Jana Sampaio e o repórter fotográfico Alex Ferro visitaram o cerrado de Minas Gerais, de cafezais arrasados. O repórter Ricardo Ferraz e o repórter fotográfico Egberto Nogueira estiveram no oeste do estado de São Paulo — ali, as usinas de Marimbondo e Água Vermelha estão entre as mais afetadas pela seca, com o volume de água nos reservatórios atingindo níveis alarmantes, abaixo de 15%. A minuciosa reportagem, que começa na página 26, ajuda a entender a situação atual, suas implicações sociais e ambientais. Mas serve também de guia para o que o governo deveria fazer de modo a atenuar o desastre ambiental e a possibilidade de escassez de energia (tudo de que o Brasil menos precisa em um momento no qual começamos, com vacinação e cuidados de distanciamento, o início de uma retomada pós-coronavírus).

Publicado em VEJA de 11 de agosto de 2021, edição nº 2750

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 49,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.