Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Bonde deveria ter seguido para garagem após colisão com ônibus

Acidente registrado na tarde da colisão que deixou cinco mortos pode ter comprometido freios e estrutura da composição número 10

Por Rafael Lemos, do Rio de Janeiro 29 ago 2011, 18h31

Detalhes ainda desconhecidos das últimas horas do bonde número 10 e do motorneiro Nelson Corrêa da Silva, 57 anos, morto no acidente, são a chave para elucidar a tragédia em Santa Teresa no último sábado. Em entrevista coletiva na tarde desta segunda-feira, o secretário estadual de Transportes, Júlio Lopes, apresentou registros que confirmam que a composição havia se envolvido em outra colisão, na mesma tarde do acidente que deixou cinco mortos e 57 feridos.

O que falta ser explicado: como o bonde, que estava sendo levado para a garagem para reparos, acabou voltando para o transporte de passageiros.

A colisão com um ônibus em Santa Teresa ocorreu, segundo registro em um boletim de ocorrência de trânsito, por volta das 15h20. O policial militar que estava a bordo – uma norma, segundo o secretário, para evitar superlotação -, sargento Dias, participou da condução da ocorrência.

Um segundo motorneiro, identificado como Gilmar, foi ao local da colisão e, após atestar que o bonde “não havia sido comprometido”, conduziu-o até a estação Carioca. Nelson Corrêa da Silva, então, desceu em outro bonde, o de número 8, para registrar o acidente. Ele, no entanto, afirmava que o bonde número 10 não tinha condições de circular de vido a uma avaria no balaústre, e, portanto, precisava receber reparos na garagem.

Segundo Júlio Lopes, Nelson informou que levaria o bonde 10 para a garagem e subiu sozinho no veículo, sem permitir o embarque de passageiros.

A partir daí a história é desconhecida, pois não há registro de entrada do motorneiro com o bonde 10 na garagem, nem explicação para como ele, Nelson, aceitou transportar passageiros e fazer o caminho de volta.

As suspeitas, nesse ponto, se multiplicam, e as possibilidades vão desde uma mudança de ideia do condutor – algo improvável – até algum tipo de coação para que ele voltasse a transportar passageiros, mesmo considerando que o veículo estava avariado.

Júlio Lopes apresentou registros do livro da garagem dos bondes que mostram que o carro número 10 passou 13 vezes por reparos no mês de agosto. No dia 18, o bonde recebeu quatro novas sapatas de freio. Curiosamente, no dia 25 há novamente registro de substituição de uma sapata apenas.

Esse registro levanta suspeitas sobre a substituição de peças entre os bondes. Como os veículos são muito antigos – a fabricação data de 1896 – e têm peças fabricadas sob encomenda, é possível que as sapatas tenham sido trocadas em regime de rodízio. A suspeita, nesse caso, é de que o bonde 10 tenha recebido uma sapata usada, devido à necessidade de uma das peças ser usada em outra composição.

Continua após a publicidade

O delegado da 7ª DP (Santa Teresa), Tarcísio Jansen, instaurou nesta segunda-feira inquérito por homicídio culposo e lesão corporal culposa para apurar responsabilidades sobre os cinco mortos e os 57 feridos no acidente. O delegado acredita que dentro de 15 dias esteja pronto o laudo pericial do Instituto Carlos Éboli, e que o documento seja “conclusivo”.

LEIA TAMBÉM:

GALERIA: A FALTA DE MANUTENÇÃO NOS BONDES DE SANTA TERESA

INSPEÇÃO DO SINDICADO APONTA FALHAS NA MANUTENÇÃO DOS BONDES

MP VAI INVESTIGAR ACIDENTE COM BONDE EM SANTA TERESA

CREA DENUNCIA FALTA DE MANUTENÇÃO EM BONDE DE SANTA TERESA

COMISSÃO DA CÂMARA TAMBÉM ALERTOU PARA PROBLEMAS NO SISTEMA DE BONDES

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Informação de qualidade e confiável, a apenas um clique. Assine VEJA.

Impressa + Digital

Plano completo de VEJA. Acesso ilimitado aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias 24h e revista digital no app (celular/tablet).

Colunistas que refletem o jornalismo sério e de qualidade do time VEJA.

Receba semanalmente VEJA impressa mais Acesso imediato às edições digitais no App.



a partir de R$ 39,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos de VEJA no site, com notícias 24h e ter acesso a edição digital no app, para celular e tablet. Edições de Veja liberadas no App de maneira imediata.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)