Assine VEJA por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Bolsonaro fala das suspeitas sobre Cid e da possibilidade de ser preso

Em entrevista exclusiva, ex-presidente diz que se considera vítima de perseguição, critica Lula e chama os vândalos do 8 de Janeiro de 'marginais'

Por Marcela Mattos Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 19 Maio 2023, 10h24 - Publicado em 19 Maio 2023, 06h00

No Supremo Tribunal Federal prevalece a convicção da maioria dos ministros de que em algum momento entre o fim das eleições e a posse do novo governo houve uma movimentação de certos setores para criar condições para um golpe de estado. Prevalece também a desconfiança de que Jair Bolsonaro estaria por trás dessa trama. Até agora, porém, não há provas concretas de que o ex-presidente ou algum de seus ministros militares estivessem de fato envolvidos num plano para solapar o poder. O mesmo não se pode dizer em relação ao entorno do ex-capitão. No inquérito que apura os chamados atos antidemocráticos, a Polícia Federal encontrou mensagens de áudio trocadas entre um coronel que serviu como assessor na Casa Civil da Presidência da República e um ex-major que foi expulso do Exército por indisciplina há mais de quinze anos. O teor das conversas não deixa dúvidas de que havia gente dentro do Planalto no mínimo flertando com a hipótese de uma quartelada.

A mesma investigação fisgou um peixe grande metido na suposta conspirata: o tenente-coronel Mauro Cesar Cid, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro. Durante quatro anos, ele foi uma espécie de faz-tudo do presidente — o assessor que, como nenhum outro, testemunhou os momentos cruciais do governo e também compartilhou (mais do que devia) da intimidade da família Bolsonaro no Palácio da Alvorada. O militar é guardião de segredos que podem revelar muito sobre a passagem do ex-capitão pelo Planalto. Esse arquivo vivo de um dos governos mais polêmicos da história está preso há mais duas semanas numa cela de 16 metros quadrados no Batalhão da Polícia do Exército em Brasília, acusado de falsificar certificados de vacinação contra a Covid-19 para ele e a família e também para Bolsonaro e a filha. A fraude no sistema do Ministério da Saúde teria sido executada com a ajuda de Ailton Barros, o tal ex-major que compartilhava as mensagens golpistas com o entorno do presidente. Cid estava na lista de transmissão.

A prisão do ex-ajudante de ordens esquentou os bastidores da política nas últimas três semanas, principalmente depois de revelado que Mauro Cid pagava as contas pessoais de Michelle Bolsonaro. A polícia considerou suspeita a movimentação financeira e viu indícios de desvio de recursos públicos no fato de o coronel usar dinheiro vivo para custear despesas como cabeleireiro, gastos médicos e roupas. Por determinação do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, os celulares do militar também foram apreendidos. Os investigadores acreditam que da perícia nos aparelhos poderão emergir novas revelações. Na terça-feira 16, o ex-­pre­siden­te prestou mais um depoimento à PF — o terceiro nos últimos dois meses. Ele foi interrogado sobre a falsificação de seu cartão de vacinação. Disse, em resumo, que não sabia da fraude, reafirmou que não tomou a vacina e, portanto, não haveria motivo algum para emitir um certificado atestando o contrário.

No dia seguinte, Bolsonaro recebeu VEJA em sua nova residência, localizada num condomínio distante cerca de 15 quilômetros do centro de Brasília. Estava acompanhado da ex-­primeira-­dama e munido de uma pilha de documentos — recibos, boletos e cópias de extratos bancários que, segundo Michelle Bolsonaro, mostram que Cid, de fato, pagava as despesas dela, mas o dinheiro usado na operação saia da conta pessoal do então presidente. “Não há nenhum tostão de dinheiro público ou de qualquer outro lugar”, diz ela. O casal se considera alvo de perseguição. Na linha de raciocínio deles, o cerco ao ex-ajudante de ordens seria uma tentativa de envolver o ex-presidente em alguma situação constrangedora. Bolsonaro ressalta que antes de deixar o governo já havia sido advertido sobre a possibilidade de prisão. “Para ter um motivo que justificasse isso, eu precisaria ter feito pelo menos 10% do que ele fez. E eu fiz 0%”, acrescenta. O “ele” a quem Bolsonaro se refere é o presidente Lula — “uma figura senil e ultrapassada”. O ex-capitão se recusa a pronunciar o nome do atual presidente.

Na entrevista, da qual Michelle também participa, fica evidente que Bolsonaro evita entrar em polêmica com o STF, especialmente com o ministro Alexandre de Moraes, o relator dos inquéritos que o fustigam há três anos. O ex-presidente afirma que nunca incentivou golpe. Ao contrário. Ele conta que teria colhido inimizades exatamente por exigir que o seu governo “jogasse dentro das quatro linhas”, desconversa quando perguntado quem pregava o contrário disso e classifica como “marginais” os responsáveis pelas depredações do dia 8 de janeiro. O ex-presidente também ressaltou que o tema fraude nas urnas eletrônicas é coisa do passado e disse acreditar que ainda pode escapar da inelegibilidade. Caso isso aconteça, não descarta a possibilidade de disputar mais uma vez as eleições presidenciais de 2026. A seguir os principais trechos.

O senhor prestou o terceiro depoimento à Polícia Federal nos últimos dois meses. Isso não é constrangedor para um ex-presidente? O pessoal está vindo para cima de mim com lupa. Eu esperava perseguição, mas não dessa maneira. Na terça-feira, nem tinha deixado o prédio da PF ainda e a cópia do meu depoimento já estava na televisão. É um esculacho. Todo o meu entorno é monitorado desde 2021. Quebraram os sigilos do coronel Cid para quê? Para chegar a mim.

Continua após a publicidade
INQUÉRITOS - Alexandre de Moraes: críticas indiretas ao ministro e ao STF
INQUÉRITOS - Alexandre de Moraes: críticas indiretas ao ministro e ao STF (Evaristo Sa/AFP)

“O pessoal está vindo para cima de mim com lupa. Eu esperava perseguição, mas não dessa maneira. É um esculacho”

As evidências de que seu ex-ajudante de ordens falsificou certificados de vacinação parecem bem nítidas. Ao que tudo indica, alguém fez besteira. Não estou batendo o martelo. Da minha parte não tem problema nenhum. Eu não precisava de vacina para entrar nos EUA. A minha filha também não precisava de nada. Estão investigando essas fraudes de 2022, tudo bem. Mas ninguém está investigando aquela outra que aconteceu em 2021. Alguém entrou no sistema usando o endereço “lula@gmail” para falsificar meu cartão de vacina. O cara pode ser ligado ao PT. Por que não estão investigando? São parciais, na verdade.

A relação do senhor com o ex-ajudante de ordens era, ao que parece, de muita proximidade. Quem indicou o Cid foi o comando do Exército da época, mas ele me serviu muito bem. Nunca tive nenhum motivo para desconfiar dele, e não quero acusá-lo de nada. Eu tenho um carinho muito especial por ele. É filho de um general da minha turma, considero um filho.

Quais eram exatamente as atribuições dele no governo? Ele atendia o telefone, às vezes um parlamentar, organizava algumas missões que eu dava. Também ficava com ele o meu cartão do Banco do Brasil. Ele movimentava minhas contas, pagava as contas da Michelle, mas não participava das decisões do governo, não interferia, não era, como alguns acham, um conselheiro. Agora, com todo o respeito, quebrar o sigilo de mensagens de um ajudante de ordens do presidente da República é… Vai se ter acesso a 90% da rotina do presidente e também de alguns ministros.

Existe a chance de aparecer algo comprometedor? Quando se fala em comprometedor, as pessoas pensam logo em dinheiro, em alguma coisa ilícita. Zero, zero. Isso não vai ter. Agora, tem troca de “zaps”, em linguagem de “zap”, tem palavrão. Há certamente conversas que envolvem segredos de estado. Vazar isso, como tem sido feito, é muito grave.

Continua após a publicidade

A investigação encontrou diálogos de pessoas do seu entorno articulando ações golpistas, uma dessas pessoas inclusive sugere ter relações de amizade com o senhor. Essa questão do ex-major Ailton é ridícula. Por que a amizade com o Ailton? Porque é paraquedista. Duas vezes por ano tinha encontro de paraquedistas e ele estava lá. Se você conversar com ele, em trinta segundos já não quer mais conversa. Ele mandou um áudio para alguém dizendo que mobilizaria 1 500 homens para um golpe, coisa assim. O Ailton não mobiliza meia dúzia de jogadores de dominó. Se conversar com ele, vai ver isso. É um coitado. Ele queria que eu gravasse um vídeo para ele na campanha do ano passado. Respondi: “Ailton, você é meu irmão, você é meu 02, porque o 01 é o Hélio Negão”. Aí levaram para o lado de que ele é o meu 01 no Rio de Janeiro.

PRISÃO - Mauro Cid: a polícia suspeita que o coronel falsificou os cartões de vacinação dele e do presidente
PRISÃO - Mauro Cid: a polícia suspeita que o coronel falsificou os cartões de vacinação dele e do presidente (Alexandre Cassiano/Agência O Globo/.)

“Não quero acusar o Cid de nada. Tenho um carinho muito especial por ele. É filho de um general da minha turma, considero um filho meu”

Mas o ex-major trocou mensagens golpistas com um coronel que estava lotado na Casa Civil. Isso revela que o entorno do presidente no mínimo flertava com essa possibilidade, não? Desde que assumi, sou acusado de tentar dar um golpe. O que eu fiz desde o começo, e arranjei inimizade por causa disso, foi repetir que “nós temos que jogar dentro das quatro linhas”. Muitos diziam que “os caras lá estão fora das quatro linhas”. Em muitos casos, estavam mesmo. E quais seriam as consequências de se tomar uma medida de força? Como ficaria o Brasil perante o mundo? Resposta: o país iria acabar, virar uma Venezuela mais rápido do que o PT conseguiria com a desgraça econômica que se está pintando no horizonte.

Então tinha mesmo gente no entorno do senhor que acreditava na hipótese de golpe. Se tem alguém, ao meu conhecimento não chegou. Falavam em tom de desabafo. Quando teve o caso do Ramagem (Alexandre Ramagem na indicação para a direção da Polícia Federal), por exemplo, em que o STF impediu a posse dele, alguns, mais nervosos, diziam: “Pô, tem que peitar, fazer isso”.

Quem defendia uma medida mais dura? Ninguém defendia, era desabafo de alguns, fora do gabinete. Eles estavam revoltados com essa situação de interferências no Executivo. Eu recebia em média uma ação por semana do Supremo Tribunal Federal. Mas isso foi antes das eleições.

Continua após a publicidade

Essa perseguição que o senhor alega seria promovida pelo STF ou por algum ministro em particular? Não quero polemizar nessa área. Está acontecendo uma conscientização no Brasil e não é só em relação ao meu caso. Eu não quero botar lenha na fogueira. Tem gente de várias formações criticando o que está acontecendo. Não precisa ser muito inteligente para saber de onde vem o problema.

O senhor tem receio de ser preso? Não há motivos para isso. Mas é bom não esquecer o que aconteceu na Bolívia. A ex-presidente Jeanine Áñez assumiu quando o Evo Morales fugiu para a Argentina. Depois, o outro lado voltou ao poder, ela foi presa e condenada a dez anos de cadeia. Acusação: atos antidemocráticos. Não preciso explicar mais.

Está sugerindo que algo similar pode acontecer no Brasil? Para ter algum motivo que justificasse isso, eu precisaria ter feito pelo menos 10% do que ele fez. E eu fiz 0%. Algumas pessoas importantes, não vou dizer os nomes, já diziam antes de acabar o governo que querem me prender. Uma prisão light, apenas para me carimbar com a pecha de ex-presidiário.

O senhor continua achando que houve fraude nas urnas? Esse assunto é página virada.

O senhor parece estar fugindo de polêmicas… Eu não quero problemas. Quero apenas o bem do meu país, apesar de ter uma pessoa no poder que tem um passado triste e fica potencializando coisas que não deram certo lá atrás. Está governando com o fígado. É uma figura senil, ultrapassada. Até o momento, a preocupação dele é dizer que pegou um país destruído. É só a gente ficar quieto que ele faz a nossa campanha para o futuro.

Continua após a publicidade

Pelo jeito, o senhor desconsidera a hipótese de ser declarado inelegível? Qual o argumento para isso? O encontro que tive com embaixadores. Essa é uma política privativa do presidente. Eu abri para a imprensa esse encontro, não tem nada de mais. Discutimos o sistema eleitoral brasileiro, buscando transparência, nada além disso.

FUTURO - Sobre Lula: o ex-presidente critica a gestão do seu sucessor e não descarta disputar a eleição em 2026
FUTURO - Sobre Lula: o ex-presidente critica a gestão do seu sucessor e não descarta disputar a eleição em 2026 (Ricardo Stuckert/PR)

“Ele está governando com o fígado. É uma figura senil, ultrapassada. É só a gente ficar quieto que ele faz a nossa campanha para o futuro”

Participar de manifestações que pediam o fechamento do Congresso e do Supremo foi algo normal também? Manifestação sempre é uma coisa justa, legal — se for sem violência. Tinha um pessoal que aparecia com cartaz do AI-5. Eu falava: “Vai lá e explica para o cara o que é AI-5”. A segurança explicava. Isso foi acabando, diminuindo. Você nunca viu coisas incendiadas, vidros quebrados nessas manifestações. Eram senhoras com bandeira do Brasil.

O 8 de Janeiro provou que aquelas manifestações não eram apenas de senhoras com a bandeira do Brasil. Foi uma coisa infeliz o que aconteceu, só prejudicou a direita, a mim e deu um fôlego à esquerda. Muitos inocentes presos, lamentavelmente. Nada justifica entrar e quebrar patrimônio. Marginais fizeram aquilo. Usaram da boa-fé do nosso pessoal, que nunca virou uma lata de lixo, quebrou uma vidraça ou ateou fogo em nada. Todo mundo do governo sabia o que ia acontecer. Graças a Deus houve o vazamento da imagem. Apareceu o G. Dias (então ministro do gabinete de Segurança Institucional de Lula) lá numa boa. Imagine se eu estivesse no Brasil? Talvez viessem me buscar aqui em casa como autor intelectual, como mentor daquilo. A perseguição atinge toda a minha família.

O senhor e a primeira-dama são investigados por tentar ficar com joias recebidas como presente e avaliadas em 16 milhões de reais. O Bento (ex-ministro de Minas e Energia) esteve em um evento no mundo árabe, recebeu dois kits de presente e ficou por catorze meses com um conjunto. O outro, feminino, ficou retido. Só fiquei sabendo disso no final de novembro, começo de dezembro. Quando soube, paguei missão, deve ter sido para o Cid: “Vê se pode recuperar”. Depois vimos que tinha um ofício do MME buscando recuperar na Receita, então não foi nada no grito. Tem ofício, e-mail, tudo. Entrou também o meu chefe da Receita, eu conversei com ele perguntando se era possível recuperar. Daí tentaram — talvez tenha havido excesso de iniciativa — resolver o negócio lá. Aí deu a confusão. Não teve nada na moita. O kit que passou, o masculino, chegou na minha mão catorze meses depois. Importante também é que foi divulgado que o que foi retido valia 16 milhões de reais. Temos uma equipe na Suíça para verificar o verdadeiro preço dessas joias. Pergunte à Michelle o nível dos ataques que ela vem sofrendo por conta de tudo isso.

Continua após a publicidade
GOLPISMO - 8 de Janeiro: intenção de Bolsonaro é se afastar dos atos vândalos
GOLPISMO - 8 de Janeiro: intenção de Bolsonaro é se afastar dos atos vândalos (Marcelo Camargo/Agência Brasil)

“Foi uma coisa infeliz o que aconteceu, só prejudicou a direita, a mim e deu um fôlego à esquerda. Marginais fizeram aquilo”

Qual era a relação da senhora com o Mauro Cid? Nenhuma. O meu contato com ele se dava por meio das minhas assessoras. Ele pagava minhas contas pessoais porque era ele que ficava com o cartão da conta-corrente do meu marido. Todo o dinheiro usado pelo coronel para pagar minhas despesas foi sacado da conta pessoal do Jair, dos rendimentos dele como presidente da República. Não tem um tostão de recursos públicos. Temos os extratos para provar isso.

Por que a senhora não pagava pessoalmente as contas? Antes do Jair se tornar presidente, eu administrava as contas da nossa casa. Quando chegamos no Alvorada, tinha essa figura para fazer esse trabalho. Pagar as despesas do dia a dia. A gente tinha vários eventos, uma demanda muito grande de trabalho, então a gente deixava tudo na planilha. Eu passava para a minha assessora, que passava para o Cid, que tinha acesso ao cartão pessoal. Ele sacava e pagava a manicure, ou cabeleireiro, um dinheiro para o lanche das crianças.

A Polícia Federal classificou como suspeitas essas transações, inclusive destacando que a senhora usava o cartão de crédito de uma amiga. Nunca me pediram explicações. Uso esse cartão desde 2011. Eu era quebrada. Em 2007, casei com o Jair, fui para o Rio de Janeiro. Tenho três irmãos. A minha família é bem simples, e eu sempre cuidei dos meus irmãos. Na época, o limite do meu cartão de crédito era de 1 800 reais, porque eu não tinha como comprovar renda. Aí essa minha amiga ofereceu um cartão adicional na conta dela, que tinha um limite maior. Eu pagava minha parte na fatura. Tenho todos os comprovantes. Esses achismos destroem a reputação das pessoas.

A senhora iria ficar com as joias avaliadas em 16 milhões de reais? Tentaram me responsabilizar por um presente que eu não pedi, que eu não tive ciência da entrada no Brasil. O erro aconteceu no fato de a assessoria do Ministério de Minas e Energia não ter comunicado a minha assessoria, já que era um presente endereçado à primeira-dama. A gente nunca ficou sabendo disso. No final de 2022, chegou aquele kit masculino no Alvorada. Se chegou ali, já tinha passado por todo um trâmite da Presidência da República. Ele ficou uns três dias em cima da mesa. Nós tínhamos um aparador no qual ficavam todos os presentes que subiam da ajudância de ordem. Quando eu abri, pensei: “Não é nem a cara do Jair. Abotoadora, ele não usa”. Foi isso que eu fiquei sabendo das joias. Se a assessoria do ex-ministro Bento tivesse entrado em contato, com certeza a gente iria verificar os trâmites legais para ficar com o presente ou colocar no acervo da Presidência. Outro dia, desembarquei aqui no aeroporto e uma pessoa perguntou quando eu iria devolver as joias. Para você ver: as joias estão retidas, nunca vi, não sei nem qual é o modelo, e tem gente que acha que eu estou com elas. São ataques politicamente organizados.

CANDIDATURA - Michelle: ela diz que investida contra ela tem objetivos políticos
CANDIDATURA – Michelle: ela diz que investida contra ela tem objetivos políticos (Eraldo Peres/AP/Image Plus)

“Você acha que eu vou rebater a Janja porque ela nos acusou de ter roubado os móveis do Palácio? Foi tudo pretexto para comprar móveis novos. Eles pregam o socialismo, mas amam os luxos que o capitalismo pode oferecer”

Organizados por quem? Eles acham que nós estávamos ali por poder, por status. Mas não. Nós estávamos ali com uma missão e por um propósito. Acho que na cabeça deles é difícil de imaginar não se querer receber uma joia, morar no Alvorada e dormir numa cama velha, sentar em um sofá que mancha sua roupa. Cada dia inventam uma narrativa para tentar te destruir, para minar as suas forças. Nos medem com a régua deles, nos acusam do que eles fazem. Você acha que eu vou rebater a Janja porque ela nos acusou de ter roubado os móveis do Palácio? Foi tudo pretexto para comprar móveis novos, sem passar por licitação. Eles pregam o socialismo, mas amam os luxos que o capitalismo pode oferecer.

BATE-BOCA - Janja: a ex e a atual primeira-dama trocam farpas sobre a mobília que teria desaparecido do Alvorada
BATE-BOCA - Janja: a ex e a atual primeira-dama trocam farpas sobre a mobília que teria desaparecido do Alvorada (Carlos Alvarez/Getty Images)

“Todo o dinheiro usado pelo coronel para pagar minhas despesas foi sacado da conta pessoal do Jair, dos rendimentos dele como presidente da República. Não tem um tostão de recursos públicos”

Por que a senhora acha que os ataques são políticos? Percebi que os ataques a mim aumentaram quando levantaram a possibilidade de uma candidatura. Hoje estou no PL porque acredito no propósito, na missão. Estou lá para ajudar o partido do meu marido e porque eles me veem com esse potencial de influenciar outras mulheres. Agora, se no meio do caminho o meu coração arder, eu posso até vir a ser candidata a um cargo do Legislativo.

Como primeira-dama, a senhora quase não aparecia. Era mais fácil que agora? Tive muita vontade de desistir de tudo, todos os dias, todos os anos. Porque você se vê injustiçado. É difícil saber que nossa filha foi xingada na escola. Ela não merece isso. É difícil ver seu marido apanhando. Muitas vezes eu pensei: “Acho que vou deixar tudo para trás e cuidar da minha filha”. Só que, quando eu pensava isso, diziam que eu não devia parar. Tive doenças como hipertireoidismo, hipotireoidismo e crises de ansiedade. Minha filha teve síndrome do pânico. Não foi nada fácil.

Publicado em VEJA de 24 de maio de 2023, edição nº 2842

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

O Brasil está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por VEJA.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Veja impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 39,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.