Clique e assine a partir de 9,90/mês

Ato contra o golpe de 1964 termina em conflito com a PM

Manifestantes jogaram tinta vermelha nos policiais, simbolizando sangue. Tropa respondeu com bombas de efeito moral

Por Da Redação - Atualizado em 10 Dec 2018, 09h55 - Publicado em 1 Apr 2014, 22h40

Com maioria de estudantes, um ato de “descomemoração” dos 50 anos do golpe militar, convocado por centrais sindicais, movimentos sociais e partidos políticos reuniu cerca de 400 pessoas no centro do Rio, no fim da tarde desta terça-feira. O ato terminou em conflito com a PM. Acompanhados por mais de 50 policiais, os manifestantes caminharam pela Avenida Rio Branco até a Cinelândia, repisando o trajeto das manifestações de resistência nos anos 60, 70 e 80. Em frente ao Clube Militar, houve o embate com policiais. Manifestantes jogaram tinta vermelha nos policiais, simbolizando sangue, e eles responderam com bombas de efeito moral.

Também na Cinelândia, a Anistia Internacional Brasil lançou, mais cedo, a campanha “50 Dias Contra Impunidade”. O objetivo é colher assinaturas online em apoio à revisão da Lei de Anistia, de1979, para que os agentes de Estado que cometeram crimes durante a ditadura militar possam ser punidos. Voluntários em outras cidades brasileiras como Brasília, São Paulo, Goiânia (GO), Belém (PA), Dourados (MS) e Porto Alegre (RS) também se organizam para expandir a ação pelo país.

Na praça, a organização colocou 20 placas que representavam o escudo e a bota do Exército. Nelas estavam escritos fatos que marcaram a ditadura militar como “1970: Criação do DOI-Codi e de outros centros de tortura” e “1981: Atentado do Riocentro”. A ação, no entanto, não apresentará uma proposta para mudança da lei. “Vivemos em um estado democrático, com legislação avançada de proteção dos direitos humanos. Por isso mesmo que não é possível que prevaleça, por um lado, a impunidade dos crimes contra a humanidade cometidos por agentes do Estado na ditadura, e, por outro, a repetição e a recorrência de crimes parecidos no presente”, alertou o diretor da Anistia Internacional Brasil, Átila Roque.

Leia também:

Continua após a publicidade

Forças Armadas vão investigar tortura em unidades militares

(Com Estadão Conteúdo)

Publicidade