Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

A história por trás do ‘Funk do Gás’ que dominou a internet

Conversamos com o compositor do "Tema da Ultragaz" para saber o que ele achou do viral

Qualquer pessoa que tenha crescido nos anos 90 lembra muito bem da música do caminhão da Ultragaz.

Pois agora o plácido tema foi transformado em um funk nervoso, que anima a coreografia mais viral dos últimos tempos.

Até os próprios funcionários da distribuidora de gás entraram no ritmo, em um vídeo visto mais 3 milhões de vezes.

 

O “Funk do Gás”, no entanto, não causou tanta empolgação em Hélio Ziskind, responsável pela criação do tema original da Ultragaz.

“Não gostei nem desgostei. A música mesmo vira uma camada ali debaixo do funk”, comenta Ziskind, compositor de temas dos programas Castelo Rá-Tim-Bum, Cocoricó e Glub Glub, entre outros.

Criado em 1989, o “Tema da Ultragaz” é uma bonita peça de música modal — estrutura sem mudanças de tom –, em que a voz da cantora Vânia Bastos se sobrepõe a uma flauta. É é um dos casos mais bem-sucedidos de casamento entre música e marketing no Brasil.

Hélio Ziskind durante gravação de DVD do Cocoricó Hélio Ziskind durante gravação de DVD do Cocoricó

Hélio Ziskind durante gravação de DVD do Cocoricó (Divulgação/)

“Pesquisei um timbre de sintetizador que pudesse imitar o bujão batendo, e fazer algo que pudesse ser escutado de longe e fosse delicado, tivesse uma certa afetividade“, explica Ziskind.

“Então se as donas de casa estivessem longe, a flauta chegaria até lá, e elas saberiam que o caminhão estava na rua. Os timbres funcionaram, virou uma audiomarca“.

No primeiro mês, as vendas dobraram. Mas Ziskind conta que não ganhou muito dinheiro com a trilha. “Na época eu era muito jovem, ganhei o que foi cobrado. Mas não seria um valor que eu cobraria hoje”.

O “Funk do Gás”, aliás, também não ajudou a engordar o cofre do Ziskind. O músico não ganhou um centavo pela homenagem em formato pancadão.

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. Caramba, a veja desceu o nível mesmo hein, fazendo matéria sobre funk? Só porque se tornou viral merece matéria.Funk é lixo imprestável.

    Curtir

  2. Jorge Luís dos Santos

    Patético te raiz grega da palavra “pathos”, ou seja, doença, doente. O patético tem espaço garantido na rede…

    Curtir