Clique e assine com até 92% de desconto
VEJA Recomenda Por Coluna Os principais lançamentos da música, do cinema, da literatura e da produção infanto-juvenil, além da TV, comentados pelo time de VEJA

Em ‘Capim-Cidreira’, rapper Rael amplia gama de influências

Quarto álbum do paulistano tem diversidade de gêneros e participações de Thiaguinho e do trio Melim

Por Sérgio Martins Atualizado em 13 set 2019, 10h47 - Publicado em 13 set 2019, 07h00

(Laboratório Fantasma. Disponível nas plataformas de streaming) O rapper paulistano angariou prestígio ao usar o reggae para criar inspiradas canções de amor. O gênero jamaicano ainda permeia seu quarto álbum, mas Rael se permite ampliar a gama de influências. A diversidade da música africana — do afrobeat à juju music — se faz presente em faixas como Sempre e Beijo B (com a participação do cantor Thiaguinho). Só Ficou o Cheiro é uma balada soul cantada em dueto com o trio pop Melim. Já Especial é uma composição que Djavan assinaria com prazer. O alto-astral dá lugar ao protesto social em Bença Mãe, que fala sobre o assassinato de um professor de jiu-­jítsu pela polícia no Rio de Janeiro.

Publicidade