Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
VEJA Recomenda Por Coluna Os principais lançamentos da música, do cinema, da literatura e da produção infanto-juvenil, além da TV, comentados pelo time de VEJA

‘A Descoberta das Bruxas’: série com magia e romance à la ‘Crepúsculo’

A produção inglesa recém-lançada no Globoplay narra a história de uma mocinha que descobre ter poderes - e se apaixona por um vampiro

Por Amanda Capuano 2 ago 2019, 16h17

A série ‘A Descoberta das Bruxas’, já disponível no Globoplay, fala de criaturas fantásticas, magia e romance – em resumo, é uma pedida para jovens (e os chamados “jovens-adultos”) que curtem os livros/filmes de Harry Potter e a série Crepúsculo. Baseada nos livros da Trilogia das Almas, da americana Deborah Harkness, a produção inglesa é protagonizada, aliás, por uma versão não-humana (e empoderada) de Bella Swan, a mocinha que vive um caso de amor com um vampiro em Crepúsculo. Trata-se de Diana Bishop (Teresa Palmer), estudiosa da Universidade de Oxford especializada em história da alquimia. Por trás de sua aparente normalidade, a acadêmica é também algo mais: uma bruxa que reprime sua natureza desde que seus pais foram assassinos, ainda na infância. Durante uma de suas idas à biblioteca da universidade, a jovem encontra, por acaso, um manuscrito há muito tempo perdido. Ela foi a única a vê-lo em séculos, e logo sua descoberta chega aos ouvidos de outras pessoas. O livro misterioso desvenda a origem de bruxos, vampiros e demônios – criaturas que vivem em segredo entre os humanos. Mais que isso, é peça-chave para garantir a existência de tais criaturas – ou acabar com elas. Diana embarca em uma viagem de autodescoberta enquanto é perseguida por seres fantásticos. Mas a mocinha – que, ao contrário de Bella Swan, não tem nada de indefesa – não está sozinha. Ao lado de Matthew Clairmont (Matthew Goode), um geneticista e vampiro milenar por quem se apaixona, a bruxa passa por poucas e boas para garantir que o livro não caia nas mãos erradas . Enquanto isso, vive um romance proibido pela mais alta esfera do poder sobrenatural, a Congregação das Espécies.

Publicidade