Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
VEJA Gente Por Cleo Guimarães Notícias sobre as pessoas mais influentes do mundo do entretenimento, das artes e dos negócios

A obsessão de Meghan Markle pela princesa Diana é um caso antigo

Nova versão de biografia não-autorizada afirma que a Duquesa de Sussex quer ser "A Lady Di 2.0"; selecionamos cinco trechos do livro

Por Cleo Guimarães Atualizado em 6 out 2021, 18h59 - Publicado em 6 out 2021, 08h30

Seis eletrizantes capítulos foram adicionados à nova edição de Meghan: A Hollywood Princess, biografia não autorizada de Meghan Markle. Publicado originalmente em 2018 e repleto de intrigas palacianas, o livro, agora atualizado pelo jornalista inglês Andrew Morton, cobre o breve período da atriz americana na família real. Plebeia, mestiça e divorciada, ela se converteu na duquesa de Sussex ao pronunciar o “yes, I do” no altar da capela de São Jorge, em maio daquele ano. Algumas das novas revelações do livro, que será lançado no próximo dia 14 de outubro, já estão dando o que falar no Reino Unido:

A enquadrada da Rainha: Morton dá mais detalhes sobre o “Tiaragate” – o veto da Rainha Elizabeth à tiara de diamantes e esmeraldas que Meghan queria usar no casamento com Harry. De acordo com a publicação, ela teria tido um “ataque de fúria” ao ser informada que a joia não estaria disponível. Motivo: Sua Alteza não liberou. Quando soube das reclamações e da irritação da noiva (classificadas como “um verdadeiro surto”), a Rainha chamou Harry para uma conversinha e avisou: “Ela vai usar a tiara que eu der para ela. E ponto final”. Meghan acabou se casando com outro modelo, o plano b, sem as esmeraldas – mas cravejada com uma centena de diamantes.

Calma, Harry: Extremante nervoso nos dias que antecederam a cerimônia, o príncipe recorreu a sessões de acupuntura para relaxar, mas ficou “possesso” quando soube que Meghan não usaria a tiara que tanto queria. Deu um faniquito também, o que só piorou a situação.

O fantasma Ladi Di: Autor também de uma das biografias de Lady Di, o jornalista inglês afirma que a princesa, morta em 1997, sempre foi “um terceiro elemento” na vida de Meghan e Harry. “O fantasma da princesa de Gales pairava sobre a vida dos dois, não passava um dia sem uma referência ou uma memória em relação à amada mãe de Harry”, escreveu.

Princesa Diana 2.0: Meghan nutria uma certa obsessão, desde adolescente, em relação àquela que viria ser a sua sogra. Morton afirma que amigos da família disseram que ela ficou “profundamente comovida” ao assistir ao funeral de Diana pela TV, aos 16 anos. “Lágrimas corriam pelo seu rosto”, descreve o autor.  Segundo as mesmas fontes, a duquesa “quer ser a princesa Diana 2.0”, e não poupa esforços para isso.

A inspiração: Amiga de infância da hoje duquesa de Sussex, Suzy Ardakani contou ao jornalista que Meghan, então com 16 anos, assistia repetidamente a vídeos do casamento de Diana com o Príncipe Charles. As duas, inspiradas nas missões humanitárias da princesa, coletavam roupas e brinquedos para crianças pobres. A duquesa, em seus tempos de plebeia, também tinha em suas prateleiras versões de biografias já lançadas de Lady Di.

Continua após a publicidade

Publicidade