Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
VEJA Gente Notícias, bastidores e conversas de quem é assunto na cultura, na política, nos negócios e em outras rodas

A volta por cima de Yuri Mansur

O cavaleiro, que vai a Tóquio, responde em liberdade a um processo por importação irregular de cavalos de raça

Por Cleo Guimarães Atualizado em 9 jul 2021, 09h28 - Publicado em 9 jul 2021, 06h00
YURI MANSUR -
YURI MANSUR – Reprodução/Facebook

A enxuta lista da equipe brasileira de hipismo que vai à Olimpíada de Tóquio traz, entre os quatro convocados, um nome para quem a competição já significa uma vitória e uma volta por cima — o do cavaleiro Yuri Mansur, 42 anos. Mansur acumula ótimos resultados e preenche os requisitos para fazer parte do time escalado pelo técnico Philippe Guerdat, mas sua recente história de vida teve obstáculos difíceis. Graças a um acordo de delação premiada, responde em liberdade a um processo por importação irregular de cavalos de raça. Em 2015, com a prisão decretada, o atleta se entregou à PF e confessou que declarava à Receita valores abaixo dos negociados. O advogado do cavaleiro, Roberto Podval, atribui algumas críticas à convocação, que evidentemente surgiram, à inveja de adversários no esporte. “Estão de olho na vaga dele. Juridicamente, nada o impede de ir aos Jogos”, afirma.

Publicado em VEJA de 14 de julho de 2021, edição nº 2746

Publicidade