Clique e assine a partir de 9,90/mês
Thomas Traumann Jornalista e consultor de comunicação, é autor de "O Pior Emprego do Mundo", sobre o trabalho dos ministros da Fazenda. Escreve sobre política e economia

Queiroz livre alivia Bolsonaro

Amor à primeira vista de Bolsonaro, ministro do STJ solta ex-assessor

Por Thomas Traumann - Atualizado em 22 jul 2020, 11h34 - Publicado em 9 jul 2020, 15h21

Como dois e dois são quatro, o presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), João Otávio de Noronha, decidiu colocar o ex-policial militar e ex-faz-tudo da família Bolsonaro, Fabrício Queiroz, em prisão domiciliar. Queiroz está preso desde 18 de junho no famoso esquema de “rachadinhas” que envolve o filho mais velho do presidente, Flavio Bolsonaro. João Otávio de Noronha é candidato a ministro do Supremo Tribunal Federal.

Bolsonaro poderá indicar um novo ministro para o STF a partir de novembro, com a aposentadoria de Celso de Mello. Até lá, os candidatos fazem de tudo para agradá-lo. Em abril, na posse do ministro da Justiça, André Mendonça, Bolsonaro disse que sua relação com Noronha foi “amor à primeira vista”. Eu confesso que a primeira vez que o vi foi um amor à primeira vista. Me simpatizei com Vossa Excelência. Temos conversado com não muita persistência, mas as poucas conversas que temos o senhor ajuda a me moldar um pouco mais para as questões do Judiciário”, discursou Bolsonaro. Semanas depois, Noronha concedeu liminar permitindo que Bolsonaro sonegasse do público os resultados dos seus primeiros exames de coronavírus.

ASSINE VEJA

Governo Bolsonaro: Sinais de paz Leia nesta edição: a pacificação do Executivo nas relações com o Congresso e ao Supremo, os diferentes números da Covid-19 nos estados brasileiros e novas revelações sobre o caso Queiroz
Clique e Assine

Noronha não é o único candidato. O procurador geral Augusto Aras fez da PGR um puxadinho do Palácio do Planalto, enquanto o ministro da Justiça, André Mendonça, processa até pensamento para mostrar lealdade a Bolsonaro. O presidente se aproveita de tanta bajulação.

Com a transferência de Queiroz para casa cai substancialmente as possibilidades de uma delação premiada, o pesadelo da família Bolsonaro. A prisão de Queiroz foi um marco. Desde que o ex-assessor foi preso, o presidente parou de comparecer às manifestações pela volta da ditadura e moderou o discurso. A soltura de Queiroz talvez marque a volta do velho Bolsonaro em guerra com o mundo.

Publicidade