Clique e assine a partir de 8,90/mês
Thomas Traumann Jornalista e consultor de comunicação, é autor de "O Pior Emprego do Mundo", sobre o trabalho dos ministros da Fazenda. Escreve sobre política e economia

O ministro “semana que vem”

Paulo Guedes precisa parar de prometer o que não pode cumprir

Por Thomas Traumann - Atualizado em 7 jul 2020, 05h59 - Publicado em 6 jul 2020, 13h29

Em 30 de maio de 2019, o jornal O Globo publicou entrevista com o então secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra, com o título “Governo deve entregar proposta de reforma tributária em 20 dias”. À época a promessa parecia fora de hora, com o governo ainda batalhando pela aprovação da reforma da Previdência. Em setembro, no entanto, a previdência estava encaminhada e o próprio Paulo Guedes se sentiu seguro para anunciar, em um seminário em Belo Horizonte, que a reforma tributária seria enviada ao Congresso. “Semana que vem acho que a gente já começa a entrar com a nossa proposta tributária”, afirmou o ministro. Isso foi em 23 de setembro. “A semana que vem” de Guedes nunca chegou.

Neste domingo, Paulo Guedes concedeu à CNN Brasil a sua primeira longa entrevista desde o início da pandemia de Covid-19. Acostumado ao levanta-e-corta das lives de bancos e corretoras, o ministro recontou a história do mundo sob a sua ótica, tergiversou, manipulou dados, bravateou ter intimidado os presidentes Xi Jinping (China) e Vladimir Putin (Rússia) numa reunião dos Brics e prometeu coisas que nunca vai cumprir. A reforma tributária (aquela que até hoje o governo não apresentou proposta) será aprovada pelo Congresso até o fim do ano. Privatizações? Serão “quatro grandes” em 90 dias. Recessão? O pior já passou em abril e “já estamos saindo do buraco”.

A entrevista foi uma catástrofe para a credibilidade de Guedes. A palavra do ministro da Economia deveria ser a voz ponderada capaz de acalmar alarmistas e fazer os pessimistas pensarem duas vezes. Foi o contrário. Guedes assimilou um discurso de coach, no qual o culpado são os outros e o amanhã será melhor que hoje. Em um político ou um guru, esse mundo da fantasia pode ser aceitável. No ministro responsável por um país em recessão, não.

ASSINE VEJA

Governo Bolsonaro: Sinais de paz Leia nesta edição: a pacificação do Executivo nas relações com o Congresso e ao Supremo, os diferentes números da Covid-19 nos estados brasileiros e novas revelações sobre o caso Queiroz
Clique e Assine

No ano passado, Guedes prometeu reduzir o déficit público a zero (o resultado real foi de R$ 90 bilhões negativos) e arrecadar R$ 1 trilhão em privatizações (deu menos R$ 100 bilhões ). As suas citações à “trilhão de reais”para cada novo projeto (de leilões de estatais à venda de imóveis, de economia com a previdência à gastos extraordinários com Covid) viraram folclore. Só que ministros da economia não podem virar folclore.

Quando o ministro faz afirmações obviamente falsas, compromete a sua credibilidade. Ninguém ao certo sabe quão fundo será a recessão, nem como se dará a recuperação, mas quando Guedes afirma categoricamente que será em formato de V (com queda e subida rápidas) poucos o levam a sério. Por quê? Porque se ele não traz uma apresentação honesta sobre o passado recente, fica difícil confiar nas suas previsões. Guido Mantega sofreu isso no passado e teve um triste fim.

Existem três urgências na agenda de Guedes, daquelas que precisam ser resolvidas “até semana que vem”:

Continua após a publicidade

– Destravar o crédito para empresas. Levantamento do próprio Ministério da Economia mostra que os quase R$ 70 bilhões anunciados para quatro grandes linhas de financiamento, apenas R$ 12,1 bilhões foram executados. As empresas estão morrendo não porque houve quarentena em algumas cidades, mas porque não tiveram crédito para sobreviver.

– Combater as fraudes no Auxílio Emergencial: de acordo com o Tribunal de Contas da União,620 mil pessoas receberam o auxílio emergencial de R$600 irregularmente. Recuperar esse dinheiro e repassa-lo a quem realmente precisa é uma prioridade moral.

– Montar o Renda Brasil: Guedes tem dois meses para produzir um novo programa social que vai juntar o cadastro do Bolsa Família com trabalhadores informais do auxílio emergencial. De acordo com o jornal O Estado de S. Paulo, o novo programa terá orçamento anual de R$ 52 bilhões (R$ 20 bilhões a mais que o Bolsa Família ) e atenderá 57 milhões de brasileiros (16 milhões a mais que o BF). Com o novo programa, o governo vai acabar com o abono salarial do PIS/PASEP, com o salário família, o Seguro Defeso e o Farmácia Popular.

Medidas como o fim do abono salarial precisam da aprovação no Congresso Nacional, que já está em ritmo de eleição.

É importante que o governo tenha critérios objetivos para quem pode se cadastrar no novo programa e faça uma campanha de comunicação didática para explicar que nem todos os que hoje recebem o auxílio emergencial continuarão sendo beneficiados.

Quando fala sobre o Brasil, Paulo Guedes se mostra um excelente candidato a ministro da Economia. Faz diagnósticos, mostra foco e aponta soluções. O drama é que ele já é ministro há um ano e meio e muito do que supunha poder fazer no cargo virou pó com a crise. Passou da hora do ministro parar com as promessas vãs e os rancores amargos. É hora de tentar resolver dramas objetivos que estão triturando a vida de milhões de brasileiros. Problemas que não podem ficar para a semana que vem.

Continua após a publicidade
Publicidade