Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Tela Plana Por Blog Críticas e análises sobre o universo da televisão e das plataformas de streaming

Com versões dos réus, filmes sobre Suzane ficam na superfície do crime

O assassinato dos pais é narrado pelos ângulos dela e do ex-namorado. Mas confrontar as versões de ambos, por si só, não ilumina a verdade dos fatos

Por Raquel Carneiro Atualizado em 27 set 2021, 14h47 - Publicado em 24 set 2021, 06h00

“Meu dia? Meu dia foi normal”, diz a jovem loira, de olheiras profundas e terço na mão. O tal “dia normal” era a fatídica quarta-feira, 30 de outubro de 2002 — em cuja madrugada ocorreria o assassinato de Manfred e Marísia von Richthofen, em um bairro nobre de São Paulo. O depoimento banhado em lágrimas de Suzane von Richthofen, filha de 18 anos do casal, almejava vendê-la ao júri como vítima da manipulação do namorado, Daniel Cravinhos. “Achava que ele queria matar meus pais por amor”, declarou ela, com frieza. O trecho do julgamento do crime de enorme repercussão no país é reproduzido em detalhes no filme O Menino que Matou Meus Pais, narrado pela óptica de Suzane (Carla Diaz). Mas um segundo longa, A Menina que Matou os Pais, traz o lado de Daniel (Leonardo Bittencourt). Após sucessivos adiamentos nos cinemas, acabam de ser lançados pelo Prime Video, da Amazon.

Casos de Família: Arquivos Richthofen e Arquivos Nardoni

Dirigidos por Mauricio Eça, com roteiro de Ilana Casoy e Raphael Montes, os filmes foram baseados no julgamento, em 2006. Suzane se dizia uma escrava de Daniel; ele afirmava o oposto: estaria tão obcecado por ela que cometeu o crime achando que a vingaria de abusos do pai. Quem diz a verdade? Não importa. Réus confessos, os dois lançaram mão do vitimismo para tentar penas mais brandas. Não adiantou: Suzane e Daniel foram condenados a 39 anos e seis meses; Cristian, irmão de Daniel e participante do homicídio, pegou 38 anos.

Richthofen: O assassinato dos pais de Suzane
Suzane – assassina e manipuladora

Ao reconstituir de forma quase literal o disse que disse presente nos depoimentos dos condenados no processo, os filmes ficam na superfície do caso, deixando que o público seja manipulado pelos protagonistas — pois confrontar as versões de ambos, por si só, não ilumina a verdade dos fatos. Em contrapartida, sanam a curiosidade alheia ao adentrar nos bastidores da barbárie protagonizada por uma bela menina rica. Tal apelo, até hoje, faz com que cada “saidinha” de Suzane atraia fotógrafos. Em 2018, Daniel progrediu para o regime aberto. Suzane, ainda no semiaberto, almeja o mesmo direito, mas não passa no teste psicológico. Os especialistas — que ela tentou dobrar — dizem que a moça é narcisista, manipuladora e egocêntrica. Ainda assim, ela conquistou recentemente na Justiça o direito de cursar uma faculdade. A aparência angelical ainda engana. Só que as falas como a do “dia normal” abrem brechas para sua faceta mais assustadora.

Publicado em VEJA de 29 de setembro de 2021, edição nº 2757

CLIQUE NAS IMAGENS ABAIXO PARA COMPRAR

Casos de Família: Arquivos Richthofen e Arquivos Nardoni
Casos de Família: Arquivos Richthofen e Arquivos Nardoni
Richthofen: O assassinato dos pais de Suzane
Richthofen: O assassinato dos pais de Suzane
Suzane - assassina e manipuladora
Suzane – assassina e manipuladora

*A Editora Abril tem uma parceria com a Amazon, em que recebe uma porcentagem das vendas feitas por meio de seus sites. Isso não altera, de forma alguma, a avaliação realizada pela VEJA sobre os produtos ou serviços em questão, os quais os preços e estoque referem-se ao momento da publicação deste conteúdo.

Continua após a publicidade
Publicidade