Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Sobre Palavras Por Sérgio Rodrigues Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.

O que a presepada tem a ver com o presépio

Má qualidade do espetáculo oferecido nos presépios vivos pode estar na origem desse brasileirismo pejorativo

Por Sérgio Rodrigues Atualizado em 31 jul 2020, 00h38 - Publicado em 25 ago 2015, 13h09

presépio“Presepada” é um brasileirismo informal que denuncia um ato ridículo e exibicionista, um sinônimo de “palhaçada”. “Presepeiro” é o fanfarrão, aquele que faz presepadas. Isso todo mundo sabe.

O curioso é que esses termos derivam obviamente de “presépio”, que goza de bom conceito – ou, no mínimo, de um distante respeito – na sociedade brasileira. Como uma coisa terá dado na outra?

Herdeiro do latim praesepium – que significa apenas curral, cercado onde se guardam animais –, o vocábulo “presépio” existe em nossa língua desde o século XIV com sentido religioso: o de representação cênica do nascimento de Jesus Cristo numa estrebaria.

O etimologista Silveira Bueno nos dá uma pista. Depois de afirmar que a tradição do presépio foi iniciada por São Francisco de Assis, ele registra no verbete “presepista” (sinônimo menos comum de presepeiro) que a palavra se aplica tanto a quem monta presépios quanto aos “farsantes que tomavam parte nos autos de Natal”.

Isso joga uma luz nova sobre uma das acepções de “presepada” no Houaiss (“espetáculo ridículo”) e nos permite pôr de pé uma tese: a de que a má qualidade dos atores que participavam dos presépios vivos, com seus prováveis maneirismos, para não mencionar a cenografia e os figurinos toscos – tudo isso pode ter criado as condições para o surgimento do pejorativo “presepada”.

Continua após a publicidade
Publicidade