Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Sobre Palavras Por Sérgio Rodrigues Este blog tira dúvidas dos leitores sobre o português falado no Brasil. Atualizado de segunda a sexta, foge do ranço professoral e persegue o equilíbrio entre o tradicional e o novo.

Novembro, ‘o mês número nove’. Ei, espere um pouco…

Entra ano, sai ano, convivemos com uma incongruência etimológica no calendário: se os meses de setembro, outubro, novembro e dezembro contêm em seus próprios nomes – de forma óbvia, se pararmos para pensar – os números sete, oito, nove e dez, respectivamente, por que não ocupam na série do ano as posições sete, oito, nove […]

Por Sérgio Rodrigues Atualizado em 31 jul 2020, 02h35 - Publicado em 25 nov 2014, 13h30

calendário novembroEntra ano, sai ano, convivemos com uma incongruência etimológica no calendário: se os meses de setembro, outubro, novembro e dezembro contêm em seus próprios nomes – de forma óbvia, se pararmos para pensar – os números sete, oito, nove e dez, respectivamente, por que não ocupam na série do ano as posições sete, oito, nove e dez?

Em outras palavras, por que setembro não é o sétimo mês, mas o nono? E outubro não é o oitavo, mas o décimo – e assim por diante?

A explicação está no antigo calendário romano, no qual fomos buscar os vocábulos herdeiros dos termos september, october, november e december (impressionante como o inglês se manteve fiel à grafia latina).

Na primeira versão do calendário romano, que tinha apenas dez meses, o ano começava em março e terminava em dezembro – o período do inverno não entrava na conta.

De martius a junius, os nomes dos meses homenageavam deuses – ainda que aprilis, dedicado a Vênus, tenha etimologia controversa.

Continua após a publicidade

Em julho começava uma implacável lógica numérica: quintilis, sextilis, september…. Como se vê, isso fazia de setembro o sétimo mês, de outubro o oitavo, de novembro o nono, de dezembro o décimo – tudo certinho.

Quando, ainda no século VIII a.C., januarius e februarius entraram em cena, a coisa ficou mais confusa: às vezes os novos meses apareciam no início da série, às vezes no fim, fechando o ciclo anual. De todo modo, os nomes “numéricos”, já consagrados, foram mantidos.

Normal. Não faz tempo que a “novela das oito” começa às nove?

Esse esquema vigorou até Júlio César dar início, em 46 a.C., à reforma que criou o calendário juliano. Por decreto, quintilis acabaria renomeado julius (em homenagem ao próprio JC) e sextilis, augustus (para honrar Augusto, seu herdeiro e sucessor).

O esquema de mapeamento do tempo adotado então diferia um pouco do que usamos hoje (nosso calendário, o gregoriano, data de 1582), mas no caso dos meses a nomenclatura juliana se manteve.

Continua após a publicidade
Publicidade