Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Ricardo Rangel

A mamata acabou, mas passa bem, obrigado

A corrupção no governo é como Inês de Castro, a que depois de morta foi rainha

Por Ricardo Rangel Atualizado em 20 Maio 2021, 16h16 - Publicado em 20 Maio 2021, 15h45

A Polícia Federal efetuou busca e apreensão contra o ministro Ricardo Salles, quebrou seu sigilo e afastou dez de seus subordinados. O ministro e outros são investigados por prevaricação, advocacia administrativa e corrupção passiva.

A PF fez a ação sem comunicar ao Procurador-Geral da República, Augusto Aras, por temer que ele obstruísse a operação para proteger o ministro.

Acuado, Salles pediu ajuda ao presidente da República, que convocou o ministro da Justiça, chefe da polícia que investiga Salles, para reunião com o próprio investigado (!).

O Ministério da Saúde, então sob o comando do general Eduardo Pazuello, usou a pandemia como desculpa para contratar, sem licitação, obras fraudulentas.

O Ministério de Desenvolvimento Regional, cujo titular é o ministro Rogério Marinho, distribui verbas federais sem controle, por meio de um orçamento secreto, para servir a um acordo negociado com o centrão pelo ministro-general Luiz Eduardo Ramos.

O ministro-general Augusto Heleno, recém-desperto de um longo sono letárgico, afirmou recentemente que o centrão — sobre o qual certa vez cantou “se gritar pega centrão, não fica um, meu irmão” — “não existe.” O ministro não enxerga mais o centrão porque está rodeado por ele.

Bolsonaro sempre disse que, com sua eleição, a corrupção morreu.

Mas a corrupção brasileira é como Inês de Castro, a que depois de morta foi rainha.

Continua após a publicidade

Publicidade