Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Temer manda um recado a Lula e aos baderneiros: não é idiota!

Presidente reafirma que governo vai, sim, cortar gastos sem eliminar conquistas sociais

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 30 jul 2020, 21h51 - Publicado em 14 set 2016, 17h16

Faz muito bem o presidente Michel Temer em subir o tom da resposta à campanha de difamação de seu governo, iniciada pelas esquerdas e que tem Lula como o líder principal. Como a tese do “golpe” micou; como isso virou discurso de maluco e de extremista mascarado, então se tenta emplacar a falcatrua de que o presidente lidera uma cruzada contra os direitos trabalhistas e contra os benefícios sociais. Temer mandou um recado: o governo não é idiota. Vamos ver.

Temer participou nesta quarta de uma solenidade em que se anunciou a transferência de R$ 1 bilhão para o financiamento de UPAs, santas casas e hospitais filantrópicos. O dinheiro derivou do corte de despesas na pasta: eliminação de 417 cargos e renegociação de contratos. Essa é uma das marcas que o presidente quer imprimir ao governo: fazer mais sem aumentar despesas.

Muito bem, no discurso, ele se exaltou um pouco mais do que de hábito. Negou que o envio de uma proposta estabelecendo um teto para os gastos se fará em prejuízo da saúde da educação:
“E eu digo com isso, e peço licença para dizer que isso é inadmissível, porque, quando nós falamos em teto de gastos, estamos falando da totalidade dos gastos. Do teto de gastos públicos. É preciso que tenhamos consciência disso. Os deputados e senadores vão para a tribuna e contestem aqueles que possam eventualmente vilipendiar os fatos”.

Ainda sobre o corte de gastos, respondeu aos críticos:
“Essas vozes todas desconhecem que a responsabilidade fiscal é pressuposto de qualquer sistema público, de saúde e educação. Desconhecem que a proposta do teto não obriga qualquer redução de gastos em saúde e educação. E que a volta do crescimento do país reverberá em financiamento mais abundante para os serviços públicos”.

É evidente que falou a coisa certa.

Temer  deixou claro também que não é um abestado, como podem imaginar os petralhas:
“[É desagradável imaginar que] somos um governo cidadão tão estupidificado, tão idiota, que chega ao poder para restringir os direitos dos trabalhadores, para acabar com saúde e para acabar com educação”.

As esquerdas, que gostam de se imaginar monopolistas do bem, adorariam que assim fosse. O presidente se referiu a uma lamentável distorção havida, por exemplo, no debate sobre a reforma trabalhista. Repetiu o que disse em entrevista ao programa “Os Pingos nos Is”, da Jovem Pan, na segunda-feira:
“O que bombou nas redes [sociais] foi isto: que o governo estava exigindo [jornada de] 12 horas por dia. […] Mas isso é o que interessou aos jornais, é o que se alardeia ou que se divulga, e se deixa de reproduzir a verdade dos fatos”.

E qual é a verdade dos fatos? O que se debateu foi a possibilidade de uma jornada de apenas quatro dias por semana — e, nesse caso, sim, como já se faz em algumas profissões, com jornada de 12 horas. Logo, não haveria aumento da carga semanal de trabalho.

Sobre a campanha orquestrada para difamar o governo, disse: “É preciso combatê-los, e eu vou combatê-los. Não vamos permitir que se faça isso. Nós queremos, por acaso, o mal do país? Ao contrário”.

Continua após a publicidade
Publicidade