Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Segundo jornal, Marcelo Odebrecht afirma que Luciano Coutinho e Mantega cobravam “colaboração” por empréstimos do BNDES

Você entendeu direito! Obras no exterior, financiadas pelo BNDES, rendiam dinheiro ao caixa do partido

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 30 jul 2020, 22h48 - Publicado em 8 Maio 2016, 08h33

Por que os petistas tentaram a todo custo fazer Lula ministro? Já está dito: para que passasse a ter foro especial por prerrogativa de função, sendo retirado da mira de Sergio Moro. Vale dizer: a cúpula do PT, muito especialmente Lula, tem medo é de ir para a cadeia. Infelizmente para os companheiros e felizmente para o Brasil, isso está cada vez mais perto.

Reportagem da Folha deste domingo informa que Marcelo Odebrecht contou a procuradores da Lava Jato que Luciano Coutinho, presidente do BNDES, e Guido Mantega, então ministro da Fazenda, eram os homens que cobravam doações à campanha de Dilma em 2014 ligadas a empréstimos do BNDES.

Ou por outra: as empresas que obtinham financiamento do BNDES para obras no exterior se comprometiam a fazer doações eleitorais ao partido. Mantega e Coutinho seriam os agentes disso que, se for verdadeiro, é uma forma de extorsão. Todos negam tudo.

A revelação de Marcelo Odebrecht teria sido feita nos entendimentos prévios do empresário com a força-tarefa com vistas à delação premiada, que ainda não foi feita.

Informa o jornal:
“A Folha apurou que a Lava Jato acredita que Odebrecht pode trazer novidades nesta área, na qual o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendia interesses de construtoras brasileiras na disputa de projetos na América Latina e na África. As obras financiadas pelo banco de fomento no exterior e executadas pela Odebrecht tiveram um salto a partir de 2007. De 1998 a 2006, a média anual de financiamento de obras da empresa fora do Brasil era de US$ 166 milhões. De 2007 a 2014, passou para US$ 1 bilhão.”

Pois é… A ser verdade, Guido Mantega não atuava apenas para destruir a economia. Tinha ambições maiores. Não é a primeira vez que o nome dele aprece no imbróglio.

Mais delação
Monica Moura, mulher de João Santana, que também está em processo de delação, acusa o ex-ministro de ter indicado a ela os nomes de empresários que poderiam fazer contribuições eleitorais pelo caixa dois. Empreiteiros afirmam que, na eleição passada. Mantega e Coutinho lhes pediram que se reunissem com Edinho Silva, então tesoureiro da campanha de Dilma, para que continuassem “a ser ajudados” pelo governo.

Atenção! Isso é o que acabou vazando dos entendimentos prévios de Marcelo Odebrecht com a força-tarefa. Dá para imaginar o que vem por aí.

Continua após a publicidade
Publicidade