Clique e assine a partir de 8,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Na democracia, os que usam máscaras querem ditadura, violência ou as duas coisas reunidas. Identificá-los é um dever do estado de direito. Ou: Ninguém é tão tipicamente “burguês” como o “antiburguês”

Numa ditadura, usar máscaras significa um ato de resistência. Não é certo, não é necessariamente assim, mas é possível que os que lutam contra uma tirania queiram uma democracia. É bom não esquecer que, na Síria, por exemplo, há terroristas combatendo um carniceiro. Mas sigamos: não há como censurar os que usam máscaras para se […]

Por Reinaldo Azevedo - Atualizado em 31 jul 2020, 05h28 - Publicado em 4 set 2013, 06h17

Numa ditadura, usar máscaras significa um ato de resistência. Não é certo, não é necessariamente assim, mas é possível que os que lutam contra uma tirania queiram uma democracia. É bom não esquecer que, na Síria, por exemplo, há terroristas combatendo um carniceiro. Mas sigamos: não há como censurar os que usam máscaras para se opor a facínoras. Mas respondam aqui a este jornalista que é cotidianamente torturado pela lógica: por que alguém usa máscaras numa democracia?

Os rapazolas e as moçoilas que andaram sendo molestados ideologicamente por professores que nunca leram Marx, mas que se apresentam como especialistas no pensamento de um delinquente como Slavoj Zizek, dirão que o direito à rebelião acompanha o homem como o ar que ele respira. Alguns outros que se querem liberais em economia, mas libertários nos costumes e valores, pensam mais ou menos como Zizek. No fim das contas, os dois lados acreditam que podem chegar a resultados opostos recorrendo aos mesmos instrumentos e valores. Há uma boa chance de que os dois lados estejam errados, então…

Enquanto isso… Bem, enquanto isso, não é aceitável que delinquentes, adicionalmente covardes, recorram a máscaras para sair por aí quebrando tudo. Em nome de quê? De quais valores? Então eles acham que os políticos são trapaceiros e ladrões e, por isso, quebram bancos? Então eles acham que os serviços públicos são ruins e, por isso, quebram lojas de departamentos ou concessionárias de carros? Então eles acham que o capitalismo é um erro histórico e, por isso, resolvem impedir o direito que têm as pessoas de ir e vir? Então eles acham que a imprensa não é boa e, por isso, querem censura?

Ora, ora…

É claro que eu apoio a decisão da Justiça que confere à polícia o direito de obrigar que manifestantes mascarados se identifiquem. Se, com efeito, for posta em prática, acaba essa folia. Eu detesto gente covarde. Olhem aqui: eu não me arrependo das ideias que tive, do que pensei, do que defendi. Mas me arrependo, sim, do que, hoje, me parece besteira. Invadi reitoria e prédio administrativo da universidade etc. e tal. O Brasil, formalmente, ainda era uma ditadura — “A Ditadura Esculhambada” (o livro que Elio Gaspari não escreveu…), mas, mesmo assim, não usei máscara. Apanhei com a cara que eu tinha. Nessas e em outras circunstâncias.

Continua após a publicidade

Esse negócio de usar máscara para quebrar prédios públicos e privados é uma mistura de pós-marxismo mal digerido, ministrado por alguns professores universitários do miolo mole, com o que chamo geração Toddynhyo & Sucrilho pós-construtivista. Jamais diga “não” ao monstrinho, ou ele começa a quebrar a casa… Qual é? Mostrem a cara, corajosos! O que querem? Fazer revolução quebrando banco de dia e dormir na caminha quente arrumada pela mamãe à noite? Trotski, já lembrei aqui, era filho de um latifundiário. Quando decidiu que queria pôr fim ao czarismo e ao capitalismo nascente na Rússia, renunciou a tudo e foi morar no casebre de um jardineiro.

Eu não gostava da ditadura. Lutei contra ela e arquei com as consequências. E era uma ditadura. Os mascarados não gostam da democracia? Pois que lutem contra ela, então, mas arcando com as consequências. Num regime democrático, costuma ser apenas a aplicação de Leis, também democraticamente pactuadas.

E aproveito o ensejo para, mais uma vez, lastimar a militância da OAB-RJ, que vem tendo um posicionamento lamentável. Em vez de se portar como babá de baderneiro, deveria se aplicar à defesa do estado de direito. E eu quero saber qual é o dispositivo legal que permite que pessoas usem máscaras para sair barbarizando por aí. A eventual truculência da polícia não serve de desculpa.

Não! Eu não gosto de Sérgio Cabral. Não! Eu não estou entre os que admiram a suposta “genialidade” de José Mariano Beltrame, o secretário de Segurança Pública. Fui quase um monopolista da crítica a ambos durante um larguíssimo período. Mas eu os reprovo nos marcos da democracia. Cabral foi eleito pela população do estado do Rio de Janeiro e só pode ser apeado do poder segundo as regras do regime democrático. Não havendo um processo judicial que o justifique, vocês terão de esperar ou a sua renúncia, que é ato volitivo, ou as eleições. E fim de papo!

Os mascarados têm todo o direito de lutar pela anarquia ou por uma ditadura. Mas a democracia tem o direito e o dever de se defender. O resto é uma soma indigesta de submarxismo delinquente com libertarismo de manual.

PS – Se, hoje, todos os mascarados fossem identificados, vocês ficariam espantados ao descobrir a quantidade de professores universitários que há entre eles. “Pobres da periferia e dos morros?” “Vítimas da violência habitual da polícia que decidiram reagir?” Uma ova! Já fui muito pobre. Pobreza não é categoria de pensamento, eu sei. Mas também sei quais são as suas urgências. Só sai quebrando tudo por aí, de caso pensado, quem acredita que os bens materiais nos desviam, como é mesmo?, da verdadeira “essência” do ser. Para ser idiota a tal ponto, é preciso não ter ou jamais ter tido qualquer dificuldade com… os bens materiais. Não é o caso dos pobres. Estes podem até se revoltar quando são maltratados por serviços públicos, como o transporte urbano precário, por exemplo. Mas não criam uma estética e uma ética da violência. Isso, com raras exceções, é um traço de classe, típico dos filhos dos endinheirados. Assim, poucas coisas são tão tipicamente “burguesas” quanto ser um antiburguês!

Texto publicado originalmente às 21h38 desta terça
Continua após a publicidade
Publicidade