Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Garotinho volta a chantagear o governo, agora com a PEC 300

Depois escrevo com mais calma a respeito, mas notem que há certa sensação de que o governo Dilma já cansou sem nem ter começado. É muito cedo, sei disso, mas a bagunça é grande. Leiam o que segue. Volto em seguida. “Ou vota a PEC 300, ou o Palocci vem aqui”, diz Garotinho na Câmara […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 11h48 - Publicado em 31 Maio 2011, 22h27

Depois escrevo com mais calma a respeito, mas notem que há certa sensação de que o governo Dilma já cansou sem nem ter começado. É muito cedo, sei disso, mas a bagunça é grande. Leiam o que segue. Volto em seguida.

“Ou vota a PEC 300, ou o Palocci vem aqui”, diz Garotinho na Câmara

Por Maria Clara Cabral, na Folha Online:
O ex-governador do Rio de Janeiro e deputado federal Anthony Garotinho (PR-RJ) ameaçou o governo, nesta terça-feira, ao dizer que se a PEC 300 não for votada pela Câmara, os deputados que defendem a proposta devem apoiar a convocação do ministro da Casa Civil, Antonio Palocci. “O momento político é esse. Temos uma pedra preciosa, um diamante que custa R$ 20 milhões, que se chama Antonio Palocci”, disse. “A bancada evangélica pressionou e o governo retirou o kit gay. Vamos ver agora quem é da bancada da polícia. Ou vota, ou o Palocci vem aqui.”

A ameaça foi feita porque há diversos requerimentos, apresentados pela oposição, em comissões da Câmara pedindo que o ministro compareça ao Congresso para explicar como ele enriqueceu fazendo negócios como consultor nos quatro anos em que também exerceu o mandato de deputado, conforme revelou a Folha. DEM, PSDB e PPS prometem fazer uma ofensiva nesta quarta para tentar aprovar algum requerimento. Questionado se votaria em algum, Garotinho disse que só faz parte da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), comissão que não conta com nenhum pedido da oposição.

Questionado se assinaria então algum pedido de CPI para investigar Palocci, ele disse que prefere dar um voto de confiança ao ministro até que a Procuradoria-Geral da República diga se as informações que devem ser prestadas pelo ministro são suficientes. “Não fiz uma ameaça, fiz uma proposta, que teve uma grande receptividade da plateia. Já os deputados mais ligados ao PT ficaram constrangidos e saíram. Agora eu acho que o Palocci deve explicações à sociedade brasileira”, afirmou.

A afirmação de Garotinho foi dada durante audiência na Comissão de Segurança Pública, na instalação da Frente Parlamentar de Defesa da PEC 300. A proposta cria um piso salarial para os policiais e precisa ser votada em segundo turno na Câmara. O deputado negou que tema qualquer tipo de retaliação do governo. “Não tenho preocupação nenhuma. A minha ideia é que se faça pressão ou a PEC não vai sair do papel. Temos que tomar uma atitude enérgica”.

Comento
Então… É a festa da uva! As barbaridades, inclusive as matemáticas, do tal “kit gay” eram tais que é um absurdo que Dilma Rousseff, a Rainha Muda, só tenha decidido se desencastelar depois da chantagem. Seu desdobramento foi virtuoso, sim, mas a prática de Garotinho, evidentemente, não doura a política. O interessante, no entanto, é saber por que ela prospera. Porque o governo que tem a maior base parlamentar da história republicana é fraco e está sem liderança política.

Garotinho, como se vê, poderia ter se contentado com o desdobramento circunstancialmente positivo de algo negativo, mas, dado que a prática é viciosa, ele não pára. E volta a ameaçar com o “Fala, Palocci” caso o governo não decida votar a PEC 300, que é aquela que iguala os salários dos policiais do país inteiro ao que se paga no Distrito Federal. A proposta quebraria os Estados se fossem eles a arcar com tudo, mas a PEC é previdente: o Tesouro arca com o espeto. Para saber mais sobre a PEC, clique aqui. Para saber como, no período pré-eleitoral, os petistas tentaram usar a tese contra o tucano José Serra, clique aqui.

Pois é… Garotinho é quem é e age como age para aprovar a PEC 300. Mas ela é um compromisso original, é bom deixar claro, de petistas e peemedebistas. Garotinho só é o ser incômodo a lembrar disso.

Continua após a publicidade
Publicidade