Group 21 Copy 4 Created with Sketch.

Em 2016, Diogo tentou reatar a amizade; fui educado, mas recusei

Vejam troca de e-mails do dia 30 de janeiro de 2015; 25 dias depois, de “conselheiro” eu me transformava em inimigo a ser abatido

No ano passado, Diogo me enviou um e-mail propondo que retomássemos nossa amizade. Dizia-se, então, “velho demais para brigar com os amigos”. Dei-lhe uma resposta cordata, mas ponderei que seria melhor dar tempo ao tempo. Até porque eu não havia brigado com ninguém. Lembrei que eu jamais os havia atacado. Ele respondeu um “que não demore muito”.

Devo ter demorado. Um mês depois, talvez menos, voltaram a me atacar no site. Gente como ele não suposta rejeição.

Uma relação fraterna que se converte em ódio tem alguma razão de ser. Sempre há a espoleta. Chegarei a ela em outro post. Antes, reproduzo imagem de três e-mails. Fiquem tranquilos. Não haverá baixaria.

No dia 30 de janeiro de 2015, há pouco mais de dois anos, Diogo e eu trocamos as seguintes mensagens:

 (/)

 (/)

Um esclarecimento

Preciso fazer este esclarecimento, agora que Diogo aderiu ao método de argumentação do pisador de cocô de urso da Virgínia: “o beijão” ali  não é expressão do seu “crush”. É só um italianismo, o “bacione”.

Eis aí. No dia 30 de janeiro, em e-mail de um amigo a outro, Diogo me pede “conselho” — só força de expressão — e que torça por eles. E dizia saber que eu não poderia publicar o link porque eles já haviam começado “amolando a VEJA”, então dirigida por Eurípedes Alcântara, que havia dado provas de profissionalismo e amizade a nós três.

Sim, dei meu conselho. Criticar a VEJA era algo que dois profissionais que trabalharam na revista não deveriam fazer logo de cara.

Diogo responde:

 (/)

Retomo
Como se nota, diz admirar a VEJA, mas expõe uma divergência. E me fala sobre “O Antagonista”, sua necessidade de arranjar dinheiro etc. E lamenta que não sejamos sócios. Afinal, “nós dois juntos atrairíamos uma quantidade impressionante de leitores”.

Sim, é verdade — ocorre que Mario havia me falado que a minha cota na sociedade se resumiria a escrever, e a celebridade entraria com o nome. Como resta claro hoje, em vez de atrair leitores comigo, Diogo decidiu fazê-lo contra mim.

Atenção, meus caros! Menos de um mês depois dessa conversa, no dia 24 de fevereiro de 2015, “O Antagonista” disparou a primeira crítica contra mim: violenta, virulenta, rancorosa. Sim, vou reproduzir aqui a agressão, republicar o meu post que a dupla usou como pretexto, a mensagem que enviei a eles e a resposta que Diogo me deu.

E não! Nada de baixaria. Só os fatos. Só a verdade.

Mas será no post seguinte. Tenho agora coisa infinitamente mais agradável do que expor as relações pregressas com os titulares do “247” da extrema direita.

 

Comentários
Deixe um comentário

Olá,

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

  1. ricardo kenji

    O pior inimigo é aquele em quem se confia e um dia resolve trair. Porque ele conhece segredos, confidências, defeitos, fraquezas e pontos fracos.
    Amigo que se torna inimigo é um processo praticamente irreversível e sem retorno. Se o ex-amigo traidor não mostrar arrependimento o quanto antes, de preferência no dia seguinte à traição, pode-se considerar o fato como consumado.
    Mesmo que o recém inimigo pretenda voltar a ser amigo por algum motivo (passar uma imagem positiva para os outros ou para pedir algum favor), o lado beligerante estará hibernante e camuflado, pronto para nova traição.
    Fica a critério de cada pessoa traída esperar pelo improvável (o reatamento da antiga amizade) ou virar a página e prosseguir sua vida.
    Apesar de a sociedade estar cada vez mais competitiva, invejosa, agressiva, intolerante, autoritária, mal-educada e irracional, ainda há muitas pessoas em quem se pode confiar.
    É mais fácil construir novas pontes de amizade do que reformar aquelas que foram danificadas.

    Curtir

  2. Rodrigo Pego

    ReinaldoXXXXXXXXXXX na cascuda xucra!

    Curtir

  3. Gerson W. Barbosa

    Apenas uma pequena correção:
    “É só um italianismo, o “baccione”.”

    É só um italianismo, o “bacione”.

    Curtir

  4. ReinaldoXXXXXXXXX na cascuda xucra!

    Curtir

  5. Diogo Minardi. … fez baixar a audiência daquele programa da Globonews. Ele ta5 obessecados pelo pra. Levaram daquele vídeo dele totalmente teansloucado pedindo pra mandarem provas contra o Lula?
    Meu Deus! O olhar dele estava de doente!
    Virou paranóia. Não se trata apenas de não gostar de algo ou alguém. Mas foi a saúde mental dele que ficou conprometida.

    Curtir

  6. Sábias e ponderadas palavras do leitor Ricardo Kenji (14 maio 2017 – 08h03).

    Curtir