Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

Antiamericanismo bocó

Por Denise Chrispim Marin e Tânia Monteiro, no Estadão:A recuperação da hegemonia dos EUA na América Latina e no Caribe não é desejável nem viável. Dessa forma, o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, delineou o viés antiamericano do novo projeto de integração regional liderado pelo governo Luiz Inácio Lula da Silva, que será consolidado […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 18h25 - Publicado em 16 dez 2008, 06h29
Por Denise Chrispim Marin e Tânia Monteiro, no Estadão:
A recuperação da hegemonia dos EUA na América Latina e no Caribe não é desejável nem viável. Dessa forma, o ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, delineou o viés antiamericano do novo projeto de integração regional liderado pelo governo Luiz Inácio Lula da Silva, que será consolidado com a realização da primeira Cúpula da América Latina e do Caribe (CALC) entre hoje e quarta-feira, na Costa do Sauípe, na Bahia.
À imprensa, Amorim destacou que a região atingiu “maturidade” suficiente para lidar com seus problemas, sem precisar de tutela, e insistiu que os EUA precisam ter consciência dessa nova realidade. O recado chega à Casa Branca a um mês da posse do novo presidente, Barack Obama, e quatro meses do primeiro encontro previsto entre Obama e líderes latino-americanos na Cúpula das Américas. Essa será a ocasião para uma reunião entre Obama e Lula.
“Acho que eles (os EUA) não querem, não é desejável e não é possível (a reconstrução da hegemonia americana na América Latina)”, disse Amorim. “Queremos ter uma boa relação com os EUA. Mas é bom que eles vejam que temos mecanismos de integração e desenvolvimento que não dependem de tutela externa.”
Tentando amenizar o viés antiamericano da CALC Amorim lembrou que, em 200 anos de independência, a América Latina jamais havia realizado um encontro entre seus chefes de Estado sem a presença dos EUA ou da União Européia. A CALC é vista no governo Lula como um contraponto regional, sob a liderança do Brasil, ao Acordo de Livre Comércio das Américas (Alca). Capitaneado pelos EUA, esse projeto foi abortado por Brasil, Argentina e Venezuela em 2005.
Sob os ecos de suas recentes críticas aos EUA e a Obama – a quem responsabilizou pelo fracasso da Rodada Doha da Organização Mundial do Comércio (OMC) -, Amorim defendeu que essa negociação ainda não morreu, mas apenas entrou em “estado de hibernação”.
O presidente cubano, Raúl Castro, disse ontem na Costa do Sauípe que está disposto a negociar o fim do embargo econômico à ilha com Obama, se o futuro presidente desejar.
Publicidade