Clique e Assine a partir de R$ 7,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

A MENTIRA SOBRE A GREVE E O DISCURSO ELEITOREIRO

A petista Dilma Rousseff faz campanha em São Paulo. Leiam este trecho do Estadão Online: “Não podíamos estar em melhor lugar. Aqui foi onde São Paulo começou, no Pátio do Colégio. Não é justo que essa cidade, que escolheu um colégio para começar, trate mal seus professores. É preciso que seja feita a revolução da […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 14h52 - Publicado em 7 jul 2010, 17h38

A petista Dilma Rousseff faz campanha em São Paulo. Leiam este trecho do Estadão Online:

“Não podíamos estar em melhor lugar. Aqui foi onde São Paulo começou, no Pátio do Colégio. Não é justo que essa cidade, que escolheu um colégio para começar, trate mal seus professores. É preciso que seja feita a revolução da educação e do conhecimento”, disse a petista, numa referência à recente greve dos professores que paralisou as escolas do Estado. Dilma discursou ao lado do candidato do PT ao governo paulista, Aloizio Mercadante.”

Comento
Comecemos pelo básico, que diz respeito à questão jornalística. É falso que a greve tenha “paralisado as escolas do estado”. Como todo mundo sabe, o movimento deu com os burros n’água e atingiu, no máximo, 1% das escolas no estado. Seu caráter eleitoreiro era tão claro que o sindicato foi multado pela Justiça Eleitoral. A informação está errada.

E agora vamos a Dilma. Um dia antes de tentar comandar um grande confronto de rua com a Polícia — o que não aconteceu até por falta de manifestantes —, Bebel, a notória presidente do sindicato dos professores da rede oficial de ensino, participou de um ato eleitoral comandado pela então pré-candidata petista no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. Ato duplamente ilegal: a) porque campanha eleitoral antecipada; b) porque se tratava claramente do uso da estrutura sindical em favor de um partido.

Vejam como tudo faz sentido. O partido que enviou aquele programa ultra-radical ao TSE, rubricado por Dilma, comandava o sectarismo doidivanas de sindicalistas que queimaram livros em praça pública e buscavam o confronto com a polícia. O PT estava preparando o picadeiro para que Dilma fizesse agora esse discurso. O sindicato atuava, como evidencia a multa que levou da Justiça Eleitoral, de olho nas eleições.

Resumo: petistas e sindicalistas, que são a mesma coisa nesse caso, cassavam dos pobres o direito à escola para fazer campanha eleitoral.

Continua após a publicidade

Publicidade