Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Reinaldo Azevedo Por Blog Blog do jornalista Reinaldo Azevedo: política, governo, PT, imprensa e cultura

68% não querem técnico estrangeiro na Seleção. Então tá! Viva o nacionalismo bocó!

Ai, que preguiça! Segundo levantamento feito pelo Datafolha 68% dos brasileiros rejeitam um técnico estrangeiro para a Seleção. Só 23% dizem preferir essa alternativa, e 9% não souberam opinar. Por que será? Não faço ideia. É bem possível que, caso se indague se as pessoas preferem que a telefonia fique nas mãos de empresas privadas […]

Por Reinaldo Azevedo Atualizado em 31 jul 2020, 03h28 - Publicado em 17 jul 2014, 05h41

Ai, que preguiça!

Segundo levantamento feito pelo Datafolha 68% dos brasileiros rejeitam um técnico estrangeiro para a Seleção. Só 23% dizem preferir essa alternativa, e 9% não souberam opinar. Por que será? Não faço ideia. É bem possível que, caso se indague se as pessoas preferem que a telefonia fique nas mãos de empresas privadas ou de uma empresa pública, esta ganhe de lavada. O mais interessante é que já foi assim, no tempo em que telefone era coisa de rico. Hoje, há mais celulares do que brasileiros, e a tontice nacional ainda continua a falar de “privataria”. Fazer o quê?

Técnico nacional por quê? Tite, diz o Datafolha, que ouviu 5.377 pessoas em 233 municípios, surge como o nome preferido, com 24% das menções. Depois, vem Zico, com 19%, seguido por Muricy Ramalho, com 14%, e Carlos Alberto Parreira e Vanderlei Luxemburgo, com 6%. Com todo o respeito, é um quadro desolador.

Pois é… Pensemos bem: não fosse Tite, seria quem? Os que gostam do esporte digam aí um nome que tenha feito algo de interessante no futebol brasileiro nos últimos tempos. Temos jogadores com experiência internacional e técnicos formados quase em campinho, não é mesmo? Não! Não estou comparando o desempenho dos atletas na Seleção àquele que exibem nos seus clubes — o Messi do Barcelona é melhor do que o da equipe argentina pela simples razão de que o Barcelona é, de fato, uma equipe, e o grupo que vestiu a camisa dos “hermanos” é só um ajuntamento de pessoas. O mesmo vale para o time brasileiro. Não custa lembrar: Neymar, o nosso craque, não é titular absoluto no Barcelona.

O ponto é outro. Qual é a qualidade das informações de que dispõem os técnicos brasileiros sobre o que vai mundo afora? Será que Felipão estava mesmo preparado para enfrentar uma Alemanha que põe em campo craques que sabem tocar a bola, não mais tanques de guerra, que jogavam aquela coisa que até parecia futebol — e com bastante eficiência, mesmo assim? A Seleção Alemã chegou a oito finais (é recorde) e venceu quatro.

Um técnico tem de ser mais do que um boleiro. Não! Eu não estou à procura de um filósofo para a função. Tem de fazer o time jogar bem e de ter compromisso com a vitória. Mas é evidente que precisamos de alguém capaz de pensar o esporte de maneira mais ampla. Precisamos de alguém que saiba cuidar também da, digamos, mentalidade. E, sinceramente, não vejo ninguém no Brasil com essas características. A CBF chegou a discutir a contratação de um estrangeiro, mas, consta, recuou. Depois dessa pesquisa, aí é que não acontece mesmo.

Mas vejam lá, hein? Tite é o que resta. Não pode ser um esquentador de cadeira apenas. Depois dele, não sobra mais ninguém. “Está antevendo que vai ser ruim com Tite?” Eu não! Defendia a sua permanência no Corinthians mesmo numa série com maus resultados. É o nosso técnico campeão do mundo. Acho apenas que o futebol precisa mudar de ares e ampliar o seu repertório.

Sem contar que tenho, por princípio, bode com nacionalismos dessa natureza. Costumam ignorar a realidade em nome de um preconceito.

Texto publicado originalmente às 22h46 desta quarta
Continua após a publicidade

Publicidade