Clique e Assine por somente R$ 2,50/semana
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Weintraub abre crise ao vetar negociação de Bolsonaro com centrão no MEC

Estava combinado que o ex-chefe de gabinete de Ciro Nogueira seria colocado no FNDE, mas Weintraub vetou: 'ou ele ou eu'

Por Robson Bonin Atualizado em 7 Maio 2020, 08h18 - Publicado em 7 Maio 2020, 08h04

Jair Bolsonaro foi dormir nesta quarta-feira com um novo caso de insubordinação no governo. Abraham Weintraub, o chefe do Ministério da Educação, decidiu seguir Sergio Moro e vetou uma indicação do presidente na pasta.

Estava tudo combinado e acertado com o centrão para que um cupincha da banda fisiológica do Congresso, apadrinhado por Ciro Nogueira, do PP, assumisse o comando do FNDE, que administra 58 bilhões de reais.

ASSINE VEJA

Moro fala a VEJA: ‘Não sou mentiroso’ Em entrevista exclusiva, ex-ministro diz que apresentará provas no STF das acusações contra Bolsonaro. E mais: a pandemia nas favelas e o médico brasileiro na linha de frente contra o coronavírus. Leia nesta edição.
Clique e Assine

Estava combinado com Bolsonaro que o ex-chefe de gabinete do cacique Marcelo Lopes da Ponte seria colocado no cargo. Mas Weintraub vetou no estilo “ou ele ou eu”.

A ala militar do Planalto passou as últimas horas tentando contornar a situação. Quem acompanha a crise no palácio avalia que duas coisas podem acontecer. O presidente, com receio da ala radical do seu governo, pode recuar, como dava sinais ontem, ou pode decidir que chegou a hora do ministro “Cebolinha” partir.

Continua após a publicidade
Publicidade