Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Subiu no telhado

Entrou areia na tal fábrica de iPads que a Foxconn instalaria no Brasil. Anunciado com barulho quando Dilma Rousseff foi à China em abril — falava-se, então, num investimento de 12 bilhões de reais — o projeto ainda depende de sócios e recursos. Os chineses, viu-se depois, queriam que o BNDES fosse sócio majoritário, o […]

Por Da Redação Atualizado em 31 jul 2020, 11h02 - Publicado em 20 ago 2011, 01h37

Entrou areia na tal fábrica de iPads que a Foxconn instalaria no Brasil. Anunciado com barulho quando Dilma Rousseff foi à China em abril — falava-se, então, num investimento de 12 bilhões de reais — o projeto ainda depende de sócios e recursos. Os chineses, viu-se depois, queriam que o BNDES fosse sócio majoritário, o que não foi aceito.

A Foxconn planejava também obter parte do dinheiro para o investimento por meio de uma abertura de capital, via bolsa de valores. A derrocada dos mercados matou a ideia. Neste momento, o governo tenta um plano B para o projeto sair do papel.

Publicidade