Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Sem chá de cadeira

De uns tempos para cá, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, decidiu só chegar às reuniões do CNJ depois de Cezar Peluso. No dia em que teve a confusão entre Peluso e Eliana Calmon, Gurgel ficou duas horas esperando e, diante do atraso, foi embora. Hoje, Peluso chegou por volta das 10h20 – a sessão […]

Por Da Redação Atualizado em 31 jul 2020, 10h31 - Publicado em 11 out 2011, 13h59

De uns tempos para cá, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, decidiu só chegar às reuniões do CNJ depois de Cezar Peluso. No dia em que teve a confusão entre Peluso e Eliana Calmon, Gurgel ficou duas horas esperando e, diante do atraso, foi embora. Hoje, Peluso chegou por volta das 10h20 – a sessão estava marcada para às  9h. Avisado por um auxiliar, Gurgel apareceu vinte minutos depois.

Publicidade