Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Presente de aniversário

Foi uma coincidência de grande simbolismo essa de Eduardo Cunha ter vencido de lavada a eleição para a presidência da Câmara justamente no dia em que o segundo governo Dilma completava o seu primeiro mês. Um governo tão novo não poderia ter uma derrota tão acachapante. Mas teve. O baixo clero fisiológico preferiu recusar os […]

Por Da Redação Atualizado em 31 jul 2020, 02h13 - Publicado em 2 fev 2015, 06h01
Cunha: vitorioso

Cunha: vitorioso

Foi uma coincidência de grande simbolismo essa de Eduardo Cunha ter vencido de lavada a eleição para a presidência da Câmara justamente no dia em que o segundo governo Dilma completava o seu primeiro mês.

Um governo tão novo não poderia ter uma derrota tão acachapante. Mas teve.

O baixo clero fisiológico preferiu recusar os favores que o governo lhe ofereceu nas duas últimas semanas e apostou em Eduardo Cunha.

Trocou o certo pelo incerto?  Nada disso.

O ponto é outro: agora, essa turma de deputados que faz a política na base de favores, vai negociar cada projeto de interesse do governo, um a um. E tentará retirar o escalpo do fraco governo Dilma a cada votação que aparecer.

Continua após a publicidade
Publicidade