Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Perto de uma solução

O nó para a grande tacada da Foxconn no Brasil — a fábrica de displays para tablets, celulares, computadores e televisores — ainda não foi desfeito, mas já há alguns sinais de fumaça. Os grupos Positivo e Semp Toshiba, além de Eike Batista, estão praticamente certos no consórcio de sócios nacionais. O BNDES entrará também. […]

Por Da Redação Atualizado em 31 jul 2020, 10h08 - Publicado em 19 nov 2011, 00h11

Engenharia financeira - Tablets: as contas ainda não fecharam, mas há avanços

O nó para a grande tacada da Foxconn no Brasil — a fábrica de displays para tablets, celulares, computadores e televisores — ainda não foi desfeito, mas já há alguns sinais de fumaça.

Os grupos Positivo e Semp Toshiba, além de Eike Batista, estão praticamente certos no consórcio de sócios nacionais. O BNDES entrará também. Ainda assim, não foram alcançados os 4 bilhões de dólares necessários para a primeira fase de investimentos (de um total de 12 bilhões de dólares em seis anos).

A luz no fim do túnel, porém, pode vir dos estados que lutam para sediar a fábrica. Rio de Janeiro e Minas Gerais incluíram em suas propostas a montagem de uma engenharia financeira para atrair sócios privados para o empreendimento.

Continua após a publicidade
Publicidade