Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Pega mal

Aceitar doações de campanha das indústrias de armamento é um dos maiores tiros no pé que um candidato pode dar, de acordo com uma pesquisa do Datafolha encomendada pela Aliança de Controle do Tabagismo e Saúde. O instituto de pesquisas pediu a opinião de 2 013 eleitores sobre o financiamento de campanhas e ouviu que […]

Por Da Redação Atualizado em 31 jul 2020, 02h57 - Publicado em 3 out 2014, 10h23
armas

Armas: o setor mais rejeitado pelo eleitor

Aceitar doações de campanha das indústrias de armamento é um dos maiores tiros no pé que um candidato pode dar, de acordo com uma pesquisa do Datafolha encomendada pela Aliança de Controle do Tabagismo e Saúde. O instituto de pesquisas pediu a opinião de 2 013 eleitores sobre o financiamento de campanhas e ouviu que 92% deles não votariam de jeito nenhum em candidatos que recebessem dinheiro de fabricantes de armas.

Depois do armamento, os setores mais repudiados pelos eleitores são tabaco e álcool, com 87% de rejeição cada, agrotóxicos, 82%, bancos, 58%, e automóveis, com 53%.

Empresas de alimentos são as mais aceitas: 62% dos entrevistados votariam em candidatos com esse tipo de apoio. Quem recheou a campanha com os 113 milhões de reais distribuídos pela JBS, maior doadora de campanha em 2014, entretanto, não deve comemorar. A rejeição de 38% à indústria de alimentos é considerada alta pelo Datafolha.

Já as generosíssimas empreiteiras, que despejaram até agora 300 milhões de reais em campanhas, não entraram no levantamento.

Ainda que 79% dos entrevistados reconheçam a importância de saber quem doa dinheiro às campanhas, 70% deles disseram ao Datafolha que não têm nenhuma informação sobre o assunto.

Continua após a publicidade
Publicidade