Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Pedido do governo para barrar depoimento de Weintraub cai com Fachin

Ministro da Educação é alvo de inquérito que apura 'fake news' e ameaças contra o STF

Por Mariana Muniz Atualizado em 28 Maio 2020, 13h11 - Publicado em 28 Maio 2020, 12h48

O ministro Edson Fachin será o relator do habeas corpus apresentado pelo governo de Jair Bolsonaro ao Supremo Tribunal Federal (STF) em nome do ministro da Educação, Abraham Weintraub, e demais alvos do inquérito que apura a disseminação de notícias falsas.

O pedido foi feito pelo ministro da Justiça, André Mendonça, no fim da noite desta quarta-feira, 27, e não pela Advocacia-Geral da União (AGU), como costuma ocorrer em demandas judiciais envolvendo o governo.

ASSINE VEJA

Coronavírus: ninguém está imune Como a pandemia afeta crianças e adolescentes, a delação que ameaça Witzel e mais. Leia na edição da semana
Clique e Assine

No HC, Mendonça afirma que medida visa garantir a “liberdade de expressão” e também “independência, harmonia e respeito entre os poderes”. Na última terça-feira, o ministro Alexandre de Moraes deu cinco dias para Weintraub prestar depoimento no inquérito das ‘fake news’ contra a Corte.

O ministro Edson Fachin é relator da Lava-Jato no Supremo e integrante da 2ª Turma. A distribuição foi feita por prevenção, ou seja, pelo fato de o ministro ser o relator de outra ação que questiona medidas tomadas dentro do inquérito das fake news.

Continua após a publicidade
Publicidade