Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Os bastidores da briga entre ‘Mamãe Falei’, deputados e sindicalistas

Tudo começou em um decreto da Mesa Diretora, passou por Janaína Paschoal e acabou em confusão

Por Pedro Carvalho - Atualizado em 5 dez 2019, 00h13 - Publicado em 5 dez 2019, 00h12

A briga generalizada no Plenário da Assembleia Legislativa de São Paulo começou muito antes da primeira explosão, durante fala do deputado Arthur ‘Mamãe Falei’ do Val (Sem Partido).

O contexto é antigo. Há alguns dias, o youtuber e a deputada Janaína Paschoal (PSL) têm denunciado uma proposta da Mesa Diretora – PSDB e DEM – de aumentar em 40 milhões de reais o orçamento para gastar com publicidade da Casa.

Fora dos microfones, no Plenário, Janaína, ao seu estilo, falava com os deputados sobre isso, relacionando a proposta que estava sendo votada – reforma da Previdência – com a gastança do dinheiro público.

A briga, ainda na planície, chamou a atenção de ‘Mamãe Falei’, que disse à coluna ter ouvido ofensas contra a amiga:

Continua após a publicidade

“Quando a Janaína foi falar sobre isso, o pessoal, que não tem nenhum argumento técnico, começou com essa truculência xingando ela de fascista, nazista, assassina… Eu fui defender a honra dela”.

Chegada a sua vez de falar ao microfone, a temperatura só aumentava.

“O pessoal da galeria, que não é população normal não, é tudo sindicalista pago, começou a falar que eu ia morrer, que iam me matar na rua”, disse ao Radar. “Quando esse tipo de coisa acontece, eu não cedo o pé não, eu dobro a aposta. Eu xinguei eles mesmo”, completou.

“O Barba [deputado do PT que precisou ser contido] não gostou e veio me bater. Eu não encostei um dedo em ninguém, nem no auge da raiva”, garantiu Mamãe Falei.

Continua após a publicidade

Ao Radar, o deputado ainda disse que não se arrependeu de nada na confusão. “Apenas fico triste que a política se tornou essa palhaçada de defesa de privilégios”, finalizou.

 

 

Publicidade