Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Novos rumos no MEC: começam a cair os integrantes da ‘ala ideológica’

Ministro Milton Ribeiro começa reformular equipe para tirar a pasta da agenda de polêmicas da gestão passada

Por Mariana Muniz - Atualizado em 27 jul 2020, 11h27 - Publicado em 27 jul 2020, 10h55

Com novo chefe, o Ministério da Educação começa a passar pela aguardada reformulação de sua equipe. Nesta segunda-feira, 27, foram exonerados quatro integrantes da chamada “ala ideológica” que dominava a gestão passada.

ASSINE VEJA

Os ‘cancelados’ nas redes sociais Leia nesta edição: os perigos do tribunal virtual. E mais: nova pesquisa sobre as eleições presidenciais de 2022
Clique e Assine

As demissões de Sérgio Sant’anna, Auro Hadano, Victor Metta e Eduardo Celino estão no Diário Oficial e foram assinadas pela novo número dois da pasta, Victor Godoy Veiga.

Olavista, Sant’anna chegou a ser cotado para ocupar o cargo de ministro, e é amigo de Eduardo Bolsonaro. Ele atuava como assessor especial de Abraham Weintraub.

Também assessor especial do ex-ministro, Hadano advogou para ele em causas particulares, como os processos que tramitavam no Supremo Tribunal Federal. Metta e Celino também estavam na função de assessor especial.

Continua após a publicidade

No MEC, o que se comenta é que as demissões dos reminiscentes de Weintraub não devem parar por aí.

Publicidade