Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Lula, a uma canetada da vitória contra a Lava-Jato; saiba quando ela virá

Valendo-se de atos irregulares de procuradores, petista já derrubou 19 processos abertos contra ele por diferentes acusações de corrupção

Por Robson Bonin Atualizado em 17 set 2021, 07h37 - Publicado em 17 set 2021, 06h01

Demorou quase seis anos, mas Lula está a uma canetada do juiz Frederico Botelho, da 10ª Vara Federal de Brasília, de triunfar totalmente em sua cruzada judicial contra a Lava-Jato. A decisão derradeira deve sair nos próximos dias no caso dos caças da FAB, sobre tráfico de influência de Lula e deve se valer novamente das falhas da Lava-Jato.

Mensagens colhidas pela defesa do petista mostram que os investigadores admitiam não ter provas contra Lula e, por isso, armaram um depoimento de Antonio Palocci para esquentar ilegalmente o caso: “O tráfico de influência é fraco”, diz um investigador sobre Lula.

Lula ficará completamente livre não porque o sítio de Atibaia e outras histórias do petista com empreiteiras sejam ilusões, claro, mas porque as mensagens dos procuradores da Lava-Jato, roubadas por hackers, revelaram procedimentos irregulares na condução das investigações que acabaram por produzir nulidades no STF.

Nesse caminho, Lula prestou 24 depoimentos, arrolou 380 testemunhas e pediu 25 HCs assinados pelo advogado Cristiano Zanin, que atuou em favor do petista em 154 audiências judiciais.

Zanin, que deve receber uma bolada por honorários — afinal, Lula é um palestrante com patrimônio de 27 milhões de reais, segundo dados revelados por VEJA em 2015 –, viajou para diferentes países e conduziu inúmeras diligências que resultaram na implosão da investigação de Curitiba.

O magistrado Botelho deu prazo para um último ato do MPF e depois ficará livre para analisar as provas apresentadas pela defesa que desmontam o caso.

Continua após a publicidade
Publicidade