Clique e assine com até 92% de desconto
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Líder do governo tenta recuperar cargos após escândalo

André Moura perdeu espaço quando Michel Temer descobriu que um dos apadrinhados do deputado atuava em dois lados do balcão

Por Gabriel Mascarenhas Atualizado em 4 set 2017, 14h00 - Publicado em 4 set 2017, 10h04

André Moura começou a correr atrás do prejuízo. Há cerca de 20 dias, três afilhados políticos dele foram exonerados da Procuradoria Federal do INSS.

A ordem de demissão foi dada pelo próprio Michel Temer. Não por acaso.

Como VEJA revelou, um dos indicados de Moura trabalhava numa faculdade ligada à Associação Nacional dos Servidores Públicos da Previdência e da Seguridade Social (Anasps), suspeita de receber indevidamente 56 milhões de reais do INSS.

Pois Moura não se conformou com a perda de espaço. Na semana passada, foram enviados à Casa Civil dois nomes para substituir os demitidos da Procuradoria. O Palácio do Planalto já sabe que ambos os concorrentes são ligados ao líder do governo.

Continua após a publicidade
Publicidade