Clique e assine a partir de 9,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

INSS tem apagão gerencial e conflito aberto com peritos

Reunião entre o presidente do órgão e representantes dos peritos terminou com ruptura do diálogo

Por Robson Bonin - Atualizado em 16 set 2020, 12h47 - Publicado em 16 set 2020, 12h34

Foi tensa a reunião entre o presidente do INSS, Leonardo Rolim, e representantes da Associação Nacional dos Médicos Peritos.

Como se vê desde segunda no noticiário, depois de seis meses de pandemia, o chefe do órgão não conseguiu adotar medidas mínimas de organização para poder reabrir as agências com segurança suficiente para receber os milhares de idosos que infelizmente dependem do órgão.

Na reunião, os representantes do perito disseram a Rolim que ele havia descumprido a palavra dada durante a pandemia de que iria preparar as agências de modo a dar condições de trabalho seguras aos profissionais, que são ligados ao Ministério da Economia.

Para piorar, o presidente do INSS permitiu que os brasileiros que aguardam na fila do órgão por atendimento fossem notificados pelo celular e forçou a reabertura das agências sabendo que os postos não teriam condições de segurança para o trabalho.

O resultado foi um desastre, com idosos nas filas esperando por um atendimento que não chegaria. Para piorar a relação entre o INSS e os peritos, Rolim, além de não fazer o trabalho, tentou dar um jeitinho com uma portaria para mais uma vez tentar reabrir as unidades nesta quarta.

Os representantes dos peritos deixaram a reunião avisando o presidente do INSS que o diálogo com o órgão só será retomado quando as regras de segurança e organização forem de fato implementadas.

 

Continua após a publicidade
Publicidade