Clique e Assine a partir de R$ 19,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Florianópolis adota robô para monitorar casos de coronavírus

Número de mortes em Santa Catarina não diminui e capital tenta manter situação sob controle

Por Mariana Muniz Atualizado em 9 dez 2020, 09h40 - Publicado em 3 ago 2020, 11h56

Diante do aumento do número de mortes por coronavírus em Santa Catarina, a prefeitura de Florianópolis decidiu adotar um sistema de inteligência artificial para auxiliar no acompanhamento dos casos confirmados ou suspeitos. A ideia é agilizar o atendimento médico e classificar o risco da doença.

ASSINE VEJA

Leia em VEJA: Levantamento exclusivo revela os campeões da destruição. Mais: as mudanças do cotidiano na vida pós-pandemia
Os 10 fazendeiros que mais desmatam a Amazônia Leia em VEJA: Levantamento exclusivo revela os campeões da destruição. Mais: as mudanças do cotidiano na vida pós-pandemia
Clique e Assine

O Sistema de Inteligência Artificial intitulado “Laura” irá entrar em contato com essas pessoas por meio de mensagens no WhatsApp fazendo perguntas simples para acompanhar o estado de saúde dos pacientes. Segundo a prefeitura, a ação saiu do papel por meio de uma doação da Unimed Grande Florianópolis e, por isso, não teve custo para os cofres públicos

Os questionamentos feitos por “Laura” serão baseados nos protocolos da Organização Mundial da Saúde para a doença. Para as situações classificadas como não críticas, o paciente receberá o acompanhamento do quadro de saúde pelos 14 dias de isolamento ou pelo período determinado pela equipe da Vigilância Epidemiológica ou dos Centros de Saúde. No contato, serão fornecidas orientações até que a infecção seja descartada ou identificada necessidade de atendimento médico.

Publicidade