Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Esquerda deve combater Bolsonaro como Mandela fez no apartheid, diz Dino

Governador do Maranhão defende união de correntes progressistas para apresentar ao país um programa de governo que evite a reeleição do presidente

Por Robson Bonin Atualizado em 23 jul 2020, 09h11 - Publicado em 23 jul 2020, 07h20

Como o Radar vem mostrando há algumas semanas, o governador do Maranhão, Flávio Dino, começou a assumir publicamente o papel de articulador de uma possível união de partidos progressistas contra o projeto de reeleição de Jair Bolsonaro. Invocando Nelson Mandela, Dino dá seu recado em artigo nesta quinta no jornal O Globo.

Derrotar Bolsonaro tem que ser, para a esquerda brasileira, o que a luta contra o apartheid foi para Mandela, algo que esteja acima das diferenças e dos interesses menores de cada sigla. “Nenhuma diferença poderia ser mais importante do que acabar com o apartheid. O pensamento progressista no Brasil precisa refletir sobre o exemplo de Mandela”, escreve Dino.

ASSINE VEJA

Crise da desigualdade social: a busca pelo equilíbrio Leia nesta edição: Como a pandemia ampliou o abismo entre ricos e pobres no Brasil. E mais: entrevista exclusiva com Pazuello, ministro interino da Saúde
Clique e Assine

“Após 18 meses de desvarios, omissões gravíssimas e denúncias diversas, Bolsonaro mantém razoáveis taxas de aprovação popular. Recentemente, anova vitória da extrema direita na Polônia lembra-nos de que o ruim ainda pode piorar. Segundos mandatos tendem a propiciar um sentimento de aprovação e induzir a ousadias ainda maiores por parte de mentes despóticas. No caso brasileiro, o STF e o Congresso têm tido um peso decisivo para conter os arroubos de Bolsonaro. Terão força para resistir em um segundo mandato”, questiona Dino.

Em um recado a Lula, que resiste a compor uma frente democrática de oposição, Dino afirma que “quem tem clareza dos seus propósitos não teme o diálogo com os diferentes”. “Sem renunciar a identidades históricas, precisamos unir e ampliar forças para proteger a nossa Nação, a democracia, os direitos sociais, a cultura e o meio ambiente”, escreve.

“Curioso notar que as disputas entre os progressistas giram mais sobre fatos pretéritos do que sobre propostas para o futuro. Portanto, é preciso priorizar mais o futuro dos cidadãos do que o “julgamento” de erros do passado. Necessitamos de uma ampla união progressista que livre o Brasil do bolsonarismo. Lulistas, trabalhistas, socialistas, comunistas, verdes, social-democratas, todos têm um grande papel”, diz Dino.

Continua após a publicidade
Publicidade