Clique e Assine por apenas R$ 0,50/dia
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Gustavo Maia, Laísa Dall'Agnol e Lucas Vettorazzo. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Em carta, indústria pede reunião com ministério para debater custo de energia

Representantes de setores industriais querem sentar de novo com o governo para discutir o custo da energia. Um conjunto de sete entidades entregou nesta semana uma carta ao ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, pedindo uma reunião para debater a questão. No documento, ressaltam que a disparada nos gastos com eletricidade neste ano foi ainda mais […]

Por Da Redação Atualizado em 30 jul 2020, 23h50 - Publicado em 17 dez 2015, 13h32
Braga: Hora de sentar e conversar

Braga: Hora de sentar e conversar

Representantes de setores industriais querem sentar de novo com o governo para discutir o custo da energia. Um conjunto de sete entidades entregou nesta semana uma carta ao ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, pedindo uma reunião para debater a questão.

No documento, ressaltam que a disparada nos gastos com eletricidade neste ano foi ainda mais significativa para os grandes consumidores, atendidos por linhas de alta tensão, e pelo mercado livre, no qual os contratos são fixados diretamente entre clientes e geradoras ou comercializadoras.

Uma das principais queixas é a mudança no cálculo da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), encargo que era assumido em sua maior parte pelo Tesouro e passou a ser cobrado nas contas de luz neste ano.

“Após a mudança de regras, parâmetros construídos e consolidados ao longo de anos no sistema elétrico, o restante do setor produtivo tem sido impactado pela imprevisibilidade de cálculos, obrigações e custos. Temos registro de casos de empresas em que tais gestões resultaram em encargos correspondentes ao dobro do resultado de um ano inteiro”, destacam.

A carta é assinada pelos presidentes das associações brasileiras de alumínio (Abal); alcális, cloro e derivados (Abiclor); química (Abiquim); vidro (Abividro); ferroligas e silício metálico (Abrafe); siderúrgico (Instituto Aço Brasil); e grandes consumidores industriais de energia e consumidores livres (Abrace).

Continua após a publicidade
Publicidade