Clique e assine a partir de 8,90/mês
Radar Por Robson Bonin Notas exclusivas sobre política, negócios e entretenimento. Com Evandro Éboli, Mariana Muniz e Manoel Schlindwein. Este conteúdo é exclusivo para assinantes.

Discurso de Mandetta começa a ser abandonado no front da pandemia

São Paulo e Goiás, pilares da estratégia do ex-ministro, anunciaram medidas de relaxamento da quarentena

Por Robson Bonin - Atualizado em 21 abr 2020, 07h19 - Publicado em 20 abr 2020, 18h22

Dois estados que lideravam o apoio ao discurso do ex-ministro Luiz Henrique Mandetta a favor do isolamento social, Goiás e São Paulo anunciaram nesta segunda medidas de relaxamento da quarentena para os próximos dias.

Sem Mandetta na Saúde para dizer que o preço pela abertura da economia será cobrado adiante, o discurso de Jair Bolsonaro sobre empregos e renda começou a impor-se no país.

Em São Paulo, o vice-governador Rodrigo Garcia anunciou a retomada de atividades, por fases, a partir do dia 11 de maio.

Em Goiás, parte de atividades de serviço, como salões de beleza, e atividades religiosas, com a abertura de templos, serão implementadas com regras especiais.

Se o discurso de Mandetta, defendido pelos governadores, estava correto, os dois estados começarão a relaxar o isolamento no ponto crítico da pandemia. Não há como não perceber a mudança de estratégia.

Continua após a publicidade

Os governos estaduais, no entanto, apresentaram argumentos para justificar o início da flexibilização.

Em São Paulo, o relaxamento poderá ser implementado porque a estrutura emergencial de saúde já estará operando, o que daria fôlego para algumas concessões no isolamento. Em Goiás, o suposto achatamento da curva seria a explicação.

“Isso só comprova que o Mandetta estava errado. Ficar em casa só lavando a mão não iria funcionar”, avaliou um interlocutor do Planalto.

ASSINE VEJA

Covid-19: Sem Mandetta, Bolsonaro faz mudança de risco nos planos A perigosa nova direção do governo no combate ao coronavírus, as lições dos recuperados e o corrida por testes. Leia na edição desta semana.
Clique e Assine

Em tempo, os governadores de alguns estados começam a colher os resultados das semanas de isolamento já impostas à população. A curva de casos começou melhorar. É motivo para relaxar nas medidas?

Mandetta dizia: “A velocidade e propagação de doença é muito rápida. Por isso a gente insiste, façam um sacrifício (e fiquem em casa). Eu sei que é duro pedir para as pessoas não abrirem seus comércios, mas isso é o mais correto, porque, se não fizerem agora, vão fazer ali na frente por imposição da doença”.

Continua após a publicidade
Publicidade